12/01/16

Cidade do Porto - A Ponte Luís I ou Luiz I, popularmente também chamada Ponte D. Luís, é uma ponte em estrutura metálica com dois tabuleiros, construída entre os anos 1881 e 1888, ligando as cidades do Porto e Vila Nova de Gaia (margem norte e sul, respectivamente) separadas pelo rio Douro, em Portugal.








«Nota Histórica:


A utilização do ferro fundido, a partir do último quartel do século XVIII, e do aço laminado que, em 1870, veio substituir o do ferro laminado (para além do próprio betão armado, já em período finissecular), possibilitou a edificação de um vasto conjunto de pontes absolutamente essencial à expansão das linhas de caminho-de-ferro em plena Era Industrial, além de permitir uma maior criatividade aos seus projectistas, graças às características dos novos materiais utilizados, ultrapassando muitas das dificuldades impostas pela própria geografia do terreno.   Eram, na verdade, planos que se enquadrariam na perfeição no conceito generalizado de "Arquitectura do Ferro", então profusamente incrementado pela nova burguesia que lhe dera vida e sentido, bem como à própria sociabilidade de raízes liberais, substanciada nas múltiplas possibilidades económicas proporcionadas pelo vertiginoso desenvolvimento científico-teconológico. E apesar de ter sido a Inglaterra a presenciar as primeiras experiências neste domínio da engenharia, foi a ponte concebida por Gustave Eiffel (1832-1923) para Bordéus, em 1860, conhecida por La Passerelle, que acabou por servir de modelo a todas quantas foram doravante erguidas. Um pouco à semelhança do que sucedeu noutros recantos europeus, a construção de pontes em Portugal acompanhou o próprio processo de abertura de novas estradas, no âmbito da política Fontista de meados de oitocentos, período geralmente conhecido por Regeneração. E foi neste ambiente, que a primeira ponte metálica lançada em território nacional teve lugar na cidade do Porto, sobre o rio Douro, a conhecida "Ponte Pênsil", certamente graças à grande actividade comercial que caracterizava a urbe e à considerável comunidade de origem britânica que aí residia desde há longa data. É neste contexto que, depois de a "Ponte de D. Maria", projectada por Gustave Eiffel, ter sido construída entre 1876 e 1877, para dar continuidade à linha férrea do Norte, a "Ponte de D. Luís I" foi apresentada a concurso em 1880, a fim de substituir a antiga "Ponte Pênsil" (aberta ao trânsito em 1843), ela própria uma substituição da "Ponte das Barcas" (inaugurada em 1806), a localizar sobre o rio Douro, entre o morro granítico onde se ergue a "Sé Catedral" portuense e a encosta fronteira da Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia. O anteprojecto que serviria de base ao referido concurso foi, então, entregue ao engenheiro João Joaquim de Matos, onde se definiam os moldes estruturais pelos quais se deveria reger o projecto final, tendo como principal elemento regulador a obrigatoriedade da existência de dois tabuleiros, que serviriam para ligar as partes ribeirinha e superior do Porto e de Vila Nova de Gaia. Aberto o concurso, a "Sociedade anónima de construção e oficinas de Willebroeck" (Bélgica), apresentou um projecto da responsabilidade do engenheiro francês Théophile Seyrig (1844-1923), que fora sócio de G. Eiffel na construção da "Ponte D. Maria". Supervisionada pelo engenheiro belga, em representação da casa Willebroeck, Artur Maury, e fiscalizadas pelo engenheiro português José Macedo Araújo Júnior, as obras resultaram numa ponte de consideráveis dimensões formada por um arco central de rótula, biarticulado, com um vão de 180 metros (com um tabuleiro superior de 391, 25m de extensão e um inferior com 174m, ambos com cinco metros de largura) e de importância capital na rede de circulação urbana, que acabaria por ser inaugurada em Maio de 1886. [AMartins]» in http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74503/

Sem comentários:

Enviar um comentário