06/02/23

F.C. do Porto Basquetebol - Max Landis prolongou o vínculo que o liga ao FC Porto e promete continuar a encantar os portistas e a aterrorizar os adversários até 2025.


«MAX LANDIS RENOVA ATÉ 2025 
6 DE FEVEREIRO DE 2023 19:00

Base norte-americano chegou ao FC Porto em 2019 e tem sido um dos MVP da FIBA Europe Cup.

Um dos melhores basquetebolistas a atuar em Portugal vai continuar a vestir de azul e branco por mais dois anos. Max Landis prolongou o vínculo que o liga ao FC Porto e promete continuar a encantar os portistas e a aterrorizar os adversários até 2025. 

Acabado de comemorar 30 anos, o exímio atirador tem sido figura de proa da excelente campanha levada a cabo tanto dentro como fora de portas pelos comandados de Fernando Sá e ostenta uma média de 17,6 pontos nos 29 jogos realizados na presente temporada.

Natural de Indianapolis, capital do estado norte-americano de Indiana, mudou-se para a Invicta no verão de 2019 e desde então tem vivido uma autêntica história de amor na cidade que deu nome ao país.

Formado na Universidade de Fort Wayne, ainda passou pelas ligas belga e alemã, mas foi em Portugal que descobriu a cidade que o apaixona. Fustigado por lesões que teriam deitado por terra as aspirações de qualquer outro jogador, nunca se cansa de provar ser um superatleta e um verdadeiro Dragão - conforme demonstrado novembro último quando recorreu às redes sociais para desabafar: “Sinto-me como se tivesse nascido na Ribeira”.

Três vezes distinguido pela Federação Internacional de Basquetebol como um dos melhores intérpretes da presente edição da Taça da Europa, Landis ambiciona juntar mais títulos à Supertaça que, como melhor marcador, ajudou a conquistar logo no jogo de estreia frente à Oliveirense, em Vila Real. Até 2025 oportunidades não faltarão.

Jorge Nuno Pinto da Costa

“A permanência do Max Landis é importante porque estamos a fazer uma aposta na secção de basquetebol, temos uma excelente equipa e ele é fundamental, por isso renovámos por dois anos. Estamos num bom momento, embora com algumas lesões que nos prejudicaram no último jogo e, sob orientação do Vítor Hugo em colaboração com o Fernando Sá, confiamos muito no presente e no futuro desta modalidade no FC Porto. Por isso fizemos questão de assinar já com o Max, considerado um dos grandes jogadores da equipa, para podermos ter uma estabilidade maior. Os resultados têm sido bons, a equipa está a corresponder ao trabalho do treinador, ao que ele deseja, e vê-se muita alegria no jogo. Mesmo depois dos jogos fica demonstrado um grande espírito de equipa.”

Max Landis

“Continuar no FC Porto significa imenso, é algo muito especial para mim e para a minha família podermo-nos manter no Porto. Tenho uma grande lista de pessoas a quem agradecer, mas quero dizer obrigado ao Vítor Hugo, por ter feito tudo para que eu ficasse, e ao nosso diretor desportivo Afonso Barros. Esta é a nossa casa e estamos muito gratos por podermos continuar cá. O melhor momento foi avançarmos para os oito melhores da FIBA Europe Cup. Eu não estaria aqui e agora se não fosse por momentos como esse, pelo sucesso da equipa, por isso devo agradecer também aos meus colegas. Além de vitórias na Europa, espero também poder ganhar campeonatos em Portugal. Tenho de conquistar troféus, não me vou sentir bem se sair do FC Porto sem mais títulos, especialmente o Campeonato. É por isso que lutamos, levo esse objetivo muito a sério porque é algo extremamente importante.”» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230206-pt-max-landis-renova-ate-2025

#fcporto    #basquetebol    #maxlandis

História e Paleontologia - Uma equipa de arqueólogos e paleontólogos descobriu dezenas de crânios de grandes mamíferos, numa caverna em Espanha.


«Neandertais ficavam com troféus das matanças. Portuguesa ajudou a descobri-las

Dezenas de crânios de grandes mamíferos foram encontrados numa caverna, em Espanha.

Uma equipa de arqueólogos e paleontólogos descobriu dezenas de crânios de grandes mamíferos, numa caverna em Espanha.

O local em causa é Cueva Des-Cubierta, perto de Madrid, conhecido por diversas descobertas arqueológicas. É uma longa galeria de cavernas que não têm o seu tecto original, explica o portal da Universidade do Algarve.

A instituição algarvia destaca esta descoberta porque uma das cientistas envolvidas no estudo é a portuguesa Ana Abrunhosa, investigadora do Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano (ICArEHB) da Universidade do Algarve.

Ana Abrunhosa é também arqueóloga do Centro Nacional de Investigação da Evolução Humana.

O estudo, publicado na revista Nature Human Behaviour, acaba por confirmar que os símbolos já existiam na época dos neandertais – e eram importantes para muitos.

Estes neandertais viveram nesta região há mais de 40 mil anos e ficavam com os crânios como troféus de caça.

Foi recuperada uma coleção excepcional de restos ósseos de grandes herbívoros, alguns deles associados a pequenas fogueiras.

As carcaças dos animais terão sido inicialmente processadas fora da caverna e os crânios foram posteriormente levadas para dentro. Numa aparente segunda ronda de processamento, procedeu-se à remoção do cérebro.

Em todos os casos (bisonte, veado, rinocerontes…) o processo foi o mesmo: os neandertais removeram a mandíbula e a mandíbula superior, e deixaram o crânio com chifres ou hastes como troféu de caça.

Terá sido um comportamento mais relacionado com um ritual, algo simbólico – mais do que algo relacionado com a sua sobrevivência destes humanos.

E fica a ideia de que este comportamento foi recorrente, que se prolongou por diversas gerações.

Era uma prática do simbolismo Neandertal – que afinal também eram capazes de relacionar conceitos com símbolos.

Também foram descobertas ferramentas de pedra musterianas (em homenagem a Le Moustier, França), bigornas e martelos usados para partir os crânios.

Os neandertais foram humanos arcaicos que viveram na Eurásia até há cerca de 40 mil anos.» in https://zap.aeiou.pt/neandertais-trofeus-matancas-520372

#história    #paleontologia    #neandertais    #troféus    #caça

Campeonato de Portugal: Amarante F.C. 3 vs Pevidém SC 2 - Amarantinos vencem homens de Pevidém e sobrem ao segundo lugar do grupo A.


05/02/23

LigaPortugal1: F.C. do Porto 2 vs Vizela 0 - FC Porto recebeu e venceu o Vizela, por duas bolas a zero, na ronda 29 do Campeonato.


«QUEM ESPERA SEMPRE ALCANÇA 
5 DE FEVEREIRO DE 2023 19:56

FC Porto recebeu e venceu o Vizela por 2-0 na ronda 29 do Campeonato.

O FC Porto regressou a casa da melhor forma possível: a ganhar. De volta ao Estádio do Dragão mais de três semanas volvidas desde a goleada ao Famalicão, os Campeões Nacionais somaram a sétima vitória consecutiva ao baterem outro adversário minhoto, no caso o Vizela, por 2-0, na 19.ª jornada da Liga. O resultado permite nova ultrapassagem ao SC Braga na tabela classificativa e reaproximação à liderança ocupada pelo Benfica com mais um jogo e oito pontos.

A assistir na bancada ao lado do igualmente suspenso Vítor Bruno, Sérgio Conceição optou por Marko Grujic e Evanilson para suprir as ausências do castigado Bernardo Folha e do lesionado Otávio, mas foi um habitual titular a deixar o primeiro aviso após canto exímio de Wendell a que Matheus Uribe não deu o melhor seguimento.

Já depois de Mehdi Taremi acabar admoestado em lance muito duvidoso na área forasteira, Grujic disse “presente” com um remate em jeito que saiu torto. No ataque subsequente, Galeno acabou tocado nas costas em pleno voo na zona proibida, porém o árbitro mandou seguir e foi preciso esperar oito minutos para que Pepê descobrisse João Mário e o ala direito atirasse cruzado a rasar o ferro mais distante.

Numa altura em que o encontro parecia algo amorfo e as bancadas impacientes, o camisola 11 aqueceu o coração dos muitos milhares que praticamente enchiam o maior anfiteatro da Invicta: recuperação de bola de Galeno no último terço, arrancada de Evanilson, toque ao lado e Pepê só teve de encostar para abrir a contagem. O 2-0 ainda podia ter surgido a tempo do intervalo, só que Galeno optou (mal) por assistir em vez de disparar em posição privilegiada.

Pepê assumia-se como o pêndulo ofensivo azul e branco na abertura da etapa complementar, altura em que Wendell saiu muito queixoso e de maca para entrar Zaidu. O quarto de hora seguinte foi um espelho do que se passou no equador do primeiro tempo, quando os Campeões perderam ritmo, os vizelenses cresceram e se tornaram mais pressionantes. 

As ausências de Eustaquio e Otávio faziam-se notar de sobremaneira e foi já com Toni Martínez na vaga de Evanilson que os Dragões respiraram de alívio. Iniciativa de João Mário pelo corredor predileto e cruzamento atrasado com conta, peso e medida para Taremi encostar de primeira e fazer o segundo. Até ao triplo apito de Cláudio Pereira, destaque para a estreia de Vasco Sousa no principal escalão, ele que entrou ao lado de Gonçalo Borges e de André Franco aquando das saídas de João Mário, Grujic e Galeno» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230205-pt-quem-espera-sempre-alcanca

#fcporto    #ligaportugal1

F.C. do Porto Voleibol - AJM/FC Porto 3 vs Vilacondense 0 - A AJM/FC Porto não deu qualquer hipótese na receção ao Vilacondense, da nona jornada da segunda fase, e manteve a liderança isolada, com 30 pontos.


«LÍDERES IMPLACÁVEIS 
5 DE FEVEREIRO DE 2023 17:22

AJM/FC Porto venceu o Vilacondense por 3-0 na 9.ª jornada da 2.ª fase do campeonato.

A AJM/FC Porto não deu qualquer hipótese na receção ao Vilacondense (3-0), da nona jornada da segunda fase, e manteve a liderança isolada, com 30 pontos.

As forasteiras entraram destemidas na partida, apesar de as bicampeãs nacionais terem entrado a ganhar, e com duas sequências de quatro pontos consecutivos chegaram à vantagem no placar (14-12). A partir daí, as azuis e brancas fizeram jus ao estatuto de líderes e, com um parcial de 11-3, fecharam o jogo inaugural (25-19).

O segundo set foi idêntico ao interior, inclusive nas margens que as portistas amealharam para mais uma vez triunfarem. Quando o jogo estava empatado a sete pontos, as atletas de Rui Moreira estabeleceram novo parcial de 11-3 (18-11) e encaminharam-se tranquilamente para o momento decisivo da tarde (25-16).

A tentar evitar a derrota por margem máxima, o Vilacondense aplicou-se ainda mais no terceiro jogo e, nem mesmo com uma desvantagem de quatro pontos (16-12) deixou de dar trabalho à AJM/FC Porto. O equilíbrio do duelo prolongou-se até aos 21-21, mas, a partir desse momento, as portistas marcaram a sua superioridade natural e fecharam o encontro com 25-21.

Na quinta-feira, a partir das 20h00 (Porto Canal/FC Porto TV), a AJM/FC Porto recebe o Stara Pazova na segunda mão dos quartos de final da Taça Challenge.

FICHA DE JOGO

AJM/FC PORTO- VILACONDENSE, 3-0

Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Feminina, 2.ª fase, 9.ª jornada

5 de fevereiro de 2023

Pavilhão do Centro Luso-Venezolano

Árbitros: Paulo Gavina e Marisa Salgado

AJM/FC PORTO: Joana Resende e Ana Matos (líberos); Clarisse Peixoto, Inês Marques, Jurja Vlasic, Ana Gamboa, Janaina Vieira, Victória Alves, Thuany Bardin, Tia Jimerson, Renata Colombo, Beatriz Moreira e Kyra Holt

Treinador: Rui Moreira

VILACONDENSE: Bruna Guedes e Cláudia Cova (líberos); Ana Silva, Margarida Pedrosa, Ana Baptista, Maiara Moreira, Inês Costa, Ana Vale, Luciana Bezerra, Rita Lopes, Ana Fonseca, Marlene Pereira e Catarina Fernandes

Treinador: João Pedro Vieira

Parciais: 25-19; 25-16; 25-21» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230205-pt-lideres-implacaveis

#fcporto    #voleibol    #joanaresende

F.C. do Porto Sub 15 Futebol: F.C. do Porto 6 vs Boavista 0 - A equipa de Sub-15 do FC Porto recebeu e bateu o Boavista, por chapa 6, numa partida a contar para a segunda ronda da Fase de Apuramento do Campeão Nacional de Juniores C disputada no sintético do Olival.


«GOLEADA À ANTIGA NO DÉRBI DOS MAIS NOVOS 
5 DE FEVEREIRO DE 2023 16:45

FC Porto impôs-se perante o Boavista (6-0) na 2.ª jornada da Fase Final do Campeonato de Sub-15,

A equipa de Sub-15 do FC Porto recebeu e bateu o Boavista, por 6-0, numa partida a contar para a segunda ronda da Fase de Apuramento do Campeão Nacional de Juniores C disputada no sintético do Olival. 

O resultado começou a ser construído logo ao sexto minuto através do capitão Bernardo Lima, que teve a companhia de João Pereira na lista dos marcadores volvido exatamente o mesmo tempo (12m). Na etapa complementar, João Abreu fez o terceiro (50m), o recém-entrado Zé Afonso o quarto (55m) e o quinto teve a assinatura do guardião Diogo Pereira num pontapé de baliza a baliza. O sexto surgiu já dentro do período de descontos (81m) e saiu da cabeça de João Pereira.

Com este resultado, os jovens azuis e brancos passam a somar seis pontos e colam-se tanto ao Benfica como ao Vitória de Setúbal no topo da tabela classificativa.

Orientados por José Violante, os portistas alinharam com Diogo Pereira, Ivandro Silva (Francisco Fernandes, 61m), Salvador Gomes, Martim Chelmik, Guilherme Carvalho (Salvador Ribeiro, 53m), Gonçalo Oliveira (Zé Afonso, 53m), Duarte Cunha, Bernardo Lima, João Pereira, João Abreu e Tomás Peixoto (Cardoso Varela, 53m).

Na 3.ª jornada da Fase Final do Nacional de Juniores C, o FC Porto recebe o Tondela no Estádio de Pedroso (domingo, 12 de fevereiro, 11h00).» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230205-pt-goleada-a-antiga-no-derbi-dos-mais-novos

#fcporto    #voleibol

Amarante São Gonçalo - As árvores que teimam em manter-se de pé, algumas antiquíssimas e que os homens ainda não abateram... lá para os lados da Bouça do Pombal em Pinheiro do Meio...

 
(Dizem que as árvores morrem de pé, quase sempre é verdade, quando as deixam, esta tem um vetusta idade e segue connosco a testemunhar o passar de gerações de homens...)

04/02/23

F.C. do Porto Hóquei Patins: F.C. do Porto 5 vs Valongo 4 - O FC Porto chegou ao intervalo da 16.ª jornada do campeonato nacional a vencer por 2-0 com um jogo disputado em condições normais.


«QUALIDADE QUE CHEGUE PARA CONTRARIAR TANTA ANORMALIDADE 
4 DE FEVEREIRO DE 2023 20:50

FC Porto venceu o Valongo por 5-4 num encontro muito emotivo e polémico.

O FC Porto chegou ao intervalo da 16.ª jornada do campeonato nacional a vencer por 2-0 com um jogo disputado em condições normais. Os azuis e brancos chegaram ao final do mesmo encontro a vencer por 5-4 após uma segunda parte muito polémica, em que só a imensa qualidade do plantel azul e branco conseguiu inverter alguns critérios extraordinários. Gonçalo Alves foi o protagonista, pela positiva, da partida ao assinar um hat-trick.

O Valongo entrou destemido no clássico e até teve a primeira oportunidade para inaugurar o marcador – Gonçalo Alves foi punido com cartão azul por uma falta sobre Diogo Abreu e os forasteiros dispuseram de um livre direto –, mas Facundo Navarro não acertou na baliza.

 Em power play durante dois minutos, os quintos classificados do campeonato pressionaram o FC Porto, mas não tiveram sucesso e acabaram mesmo por sofrer. Aos sete minutos, Rafa foi expedito após um remate de Carlo Di Benedetto e aproveitou para fazer o primeiro da partida. À procura de empatar, o Valongo voltou à carga e Xavi Malián assumiu importância redobrada ao defender três remates que levavam perigo para os azuis e brancos.

Aos 15 minutos, os campeões nacionais voltaram a castigar a ineficácia adversária e aumentaram a diferença no jogo por Roc Pujadas. O espanhol recebeu à esquerda e disferiu um autêntico tiro que não deu hipótese a Alejandro Edo (2-0). Assim recolheram as equipas aos balneários.

O início da etapa complementar trouxe muita polémica e emoção à mistura. Logo no primeiro minuto de jogo, Carlo Di Benedetto foi punido com um cartão azul e Diogo Abreu foi chamado a bater o livre direto, que Xavi Malián até defendeu numa primeira instância, mas a equipa de arbitragem mandou repetir a marcação da falta com o argumento de que o guardião portista se havia mexido antes de o poder fazer.

Para a repetição do lance, Xavi Malián encaminhava-se para o banco para trocar com Tiago Rodrigues, mas novamente a dupla de árbitros considerou que o 82 havia entrado dentro de campo antes de o 1 sair e, por isso, mostrou o cartão azul a Rodrigues. Malián voltou para entre os postes, defendeu de forma magnífica com a máscara o remate valonguense, o pavilhão entrou em ebulição, mas de imediato as atenções centraram-se no banco portista, de que se acercou um dos juízes para expulsar Carlos Monteiro, mecânico azul e branco.

A jogar com menos um elemento, os pupilos de Ricardo Ares viram o Valongo reduzir por Rafael Bessa (27m), mas nem assim a igualdade numérica ficou reposta devido às exclusões acumuladas. Neste cenário, os forasteiros empataram mesmo a partida por Miguel Moura (32m), mas apenas por breves segundos, já que Gonçalo Alves nem deixou o adversário respirar e escassos segundos depois devolveu a vantagem ao FC Porto.

Quatro minutos depois, Rui Leitão e Fernando Vasconcelos voltaram a ser protagonistas pelos piores motivos. Após Rafa perder o esférico, Facundo Bridge, desequilibrado e em contacto com o chão, prosseguiu com a bola – segundo as leis, os atletas não podem tocar na bola enquanto estão em contacto com o solo – e, na sequência da jogada Miguel Moura tornou a igualar o embate (3-3). Após um momento de conferência, em que todos os presentes pensavam que a dupla de arbitragem iria anular o golo ilegal, eis que o mesmo foi validado.

Nem todos esses fatores extraordinários impediram os campeoníssimos do hóquei em patins de lutarem por mais três pontos. Aos 40 minutos, Miguel Moura rasteirou Roc Pujadas na área com o stick e foi assinalada grande penalidade. Na conversão, após uma primeira tentativa em que Alejandro Edo se moveu antes do regulamentado, Gonçalo Alves bisou (4-3).

A menos de três minutos do final, o Valongo cometeu a décima falta e Gonçalo Alves, chamado a converter o livre direto, colocou a bola por baixo das pernas do guardião oponente e festejou o hat-trick no encontro. Quando se pensava que o destino do encontro poderia estar fechado, Diogo Abreu reduziu (5-4) com um remate forte e muito colocado. A incerteza pairou até ao soar da buzina, mas os três pontos ficaram mesmo no Dragão.

“Na primeira parte, merecíamos que o marcador estivesse mais avultado. A segunda parte foi muito esquisita, nunca tinha estado durante nove minutos com menos um, sabemos o que aconteceu e no que temos de melhorar, mas a equipa reagiu bem nos momentos complicados. O Valongo está a fazer uma grande época, é um grande adversário. Sabemos para onde temos de ir, hoje foi mais uma confirmação disso, e por isso vamos trabalhar. O foco desta equipa e do clube é ganhar títulos. As vitórias são importantes, mas em fevereiro não se ganham títulos. Temos muito claro o que temos de fazer e onde queremos chegar”, disse Ricardo Ares no final do embate.

Na próxima quinta-feira, o FC Porto desloca-se à Catalunha para defrontar o Noia na segunda jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões (20h00, FC Porto TV).

FICHA DE JOGO

FC PORTO-VALONGO, 5-4

Campeonato Nacional, 16.ª jornada

4 de fevereiro de 2023

Dragão Arena

Árbitros: Rui Leitão e Fernando Vasconcelos

FC PORTO: Xavier Malián (g.r.), Xavier Barroso, Rafa (cap.), Gonçalo Alves e Carlo Di Benedetto

Suplentes: Tiago Rodrigues (g.r.), Telmo Pinto, Ezequiel Mena, Diogo Barata e Roc Pujadas

Treinador: Ricardo Ares

VALONGO: Alejandro Edo (g.r.), Rafael Bessa, Nuno Santos (cap.), Facundo Navarro e Diogo Abreu

Suplentes: Gonçalo Bento (g.r.), Vítor Oliveira, Miguel Moura, Francisco Silva e Facundo Bridge

Treinador: Edo Bosch

Ao intervalo: 2-0

Marcadores: Rafa (7m), Roc Pujadas (15m), Rafael Bessa (27m), Miguel Moura (32m e 36m), Gonçalo Alves (32m, 40m e 47m) e Diogo Abreu (47m)» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230204-pt-qualidade-que-chegue-para-contrariar-tanta-anormalidade

#fcporto    #hóqueipatins

F.C. do Porto Voleibol: AJM/FC to 3 vs SL Benfica 1 - A AJM/FC Porto bateu pela terceira vez nesta época o Benfica, nos oitavos de final da Taça de Portugal, e carimbou a passagem aos “quartos” da prova rainha, em que vai defrontar o Vitória de Guimarães.


«O CAMINHO NA TAÇA CONTINUA SOBRE BLOCOS BEM CIMENTADOS 
4 DE FEVEREIRO DE 2023 16:46

AJM/FC Porto bateu o Benfica (3-1) nos oitavos de final da competição.

A AJM/FC Porto bateu pela terceira vez nesta época o Benfica, desta feita por 3-1 nos oitavos de final da Taça de Portugal, e carimbou a passagem aos “quartos” da prova rainha, em que vai defrontar o Vitória de Guimarães. Após um primeiro set muito bem disputado por ambos os conjuntos e vencido pelas portistas, o adversário ainda respondeu, mas dois jogos implacáveis encerram a contenda.

As portistas arrancaram melhor e ficaram com os primeiros três pontos da eliminatória, mas as adversárias responderam de imediato na mesma medida. Alguns erros das atletas de Rui Moreira refletiram-se num parcial negativo de 7-2 que colocou as lisboetas na frente do set inaugural (16-11), mas, após um desconto de tempo pedido pela equipa técnica azul e branca, as voleibolistas portistas inverteram o sentido do jogo e responderam na mesma moeda, com um parcial de 7-2 também, que levou a um empate a 18 no placar e ao primeiro de dois descontos de tempo quase consecutivos de Nuno Brites, apenas com dois pontos conquistados pela AJM/ FC Porto entre eles (20-18). Em vantagem, as da Invicta dispuseram de três pontos de set e só mesmo ao terceiro é que consumaram o 1-0 na partida (27-25).

À procura de voltar a nivelar o encontro, o Benfica adiantou-se desde cedo no marcador (5-3) e, já depois de uma boa réplica das bicampeãs nacionais (7-5 após quatro pontos sem resposta), regressou à dianteira (15-14), onde se haveria de manter até ao final do segundo jogo (25-22).

O terceiro set foi o menos equilibrado do clássico, muito por força da superioridade demonstrada pela AJM/FC Porto. As azuis e brancas arrecadaram seis pontos consecutivos numa fase ainda prematura do jogo (13-6) e, motivadas e ambiciosas, aumentaram essa diferença para 11 pontos até ao final (25-14) sem darem qualquer hipótese de recuperação às oponentes.

No momento das decisões, as da Invicta apresentaram-se agressivas no bloco e determinadas a encerrar a eliminatória. Assim, colocaram-se em vantagem por 14-11, distanciaram-se para 20-15 e, com o espírito e a competência de campeãs, fizeram o 25-21 com um bloco de Renatinha e o 3-1 final. As portistas vão receber o Vitória de Guimarães nos quartos de final da prova, num jogo que está agendado para o fim de semana de 18 e 19 de fevereiro.

“Acima de tudo, jogamos contra uma equipa candidata ao título. Há sempre uma componente anímica diferente frente ao Benfica e talvez isso tenha sido determinante para não entrarmos tão bem. Depois uma sucessão de serviços da Kyra ajudou-nos. Também não perdemos bem o segundo set, cometemos muitos erros no ataque e isso oferece pontos ao adversário. No terceiro e quarto sets, melhorámos o primeiro toque, diminuímos os erros ofensivos e ganhámos com mais vantagem. Vamos para o 11.º jogo no ano e a disponibilidade física cai um bocadinho com esta densidade competitiva. Na quarta-feira, perdemos por culpa própria e agora temos quase uma semana para reverter uma eliminatória que pode ser revertida, está ao nosso alcance. Em casa, para as competições europeias, ainda não perdemos. Apelo aos portistas para que nos venham apoiar nesse jogo”, afirmou Rui Moreira após o término do encontro.

Neste domingo, a AJM/FC Porto recebe o Vilacondense no Luso-Venezolano (16h00, Porto Canal/FC Porto TV) na 9.ª jornada da 2.ª fase da liga.

FICHA DE JOGO

AJM/FC PORTO-BENFICA, 3-1

Taça de Portugal, oitavos de final

4 de fevereiro de 2023

Dragão Arena

Árbitros: Vítor Gonçalves e José Caramez

AJM/FC PORTO: Joana Resende e Ana Matos (líberos); Clarisse Peixoto, Jurja Vlasic, Ana Gamboa, Klára Vyklicka, Janaína Vieira, Victória Pinto, Thuany Bardin, Tia Jimerson, Renatinha, Beatriz Moreira, Inês Marques e Kyra Holt

Treinador: Rui Moreira

BENFICA: Matilde Rodrigues e Maria Jardim (líbero); Beatriz Paiva, Natasha Farinea, Thayna Moraes, Eliana Durão, Letícia Cordeiro, Alice Clemente,Thaynara Nunes, Marisa Pardal, Karina Sobreira, Daniele Oliveira, Joana Garcez e Ivy Wittingham

Treinador: Nuno Brites

Parciais: 27-25; 22-25; 25-14; 25-21» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230204-pt-o-caminho-na-taca-continua-sobre-blocos-bem-cimentados

#fcporto    #voleibol    #joanaresende

F.C. do Porto Sub 17 Futebol: Estoril 0 vs F.C. do Porto 2 - FC Porto venceu a equipa da Linha por duas bolas sem resposta, na quinta jornada da fase de apuramento de campeão.


«SUB-17 REGRESSAM ÀS VITÓRIAS NO ESTORIL 
4 DE FEVEREIRO DE 2023 13:34

FC Porto venceu a equipa da Linha por 2-0 na quinta jornada da fase de apuramento de campeão.

A equipa de Sub-17 do FC Porto venceu este sábado na deslocação ao Estoril (2-0), referente à quinta jornada da fase de apuramento de campeão do Campeonato Nacional de Juniores B. Após uma primeira parte sem golos, Anha Candé colocou os portistas na dianteira do encontro logo aos 50 minutos e Alassana Baldé, três minutos após ter entrado, dobrou a vantagem, ditando assim a sentença final (2-0, 69m). O FC Porto soma agora dez pontos e subiu ao terceiro posto da fase final do campeonato, à condição.

Os Sub-17 portistas, orientados por Ricardo Costa, alinharam com Gonçalo Silva, Vasco Santos (Alassana Baldé, 66m), Tomé Almeida, Duarte Nogueira, Guilherme Venâncio, João Teixeira, Fábio Amaral, Rodrigo Mora (Rafael Gomes, 88m), Gonçalo Sousa (Gonçalo Paiva, 80m), Gil Martins e Anha Candé (Tiago Sousa, 88m).

Na sexta jornada da fase de apuramento de campeão, os jovens Dragões recebem o SC Braga em Pedroso (domingo, 19 de fevereiro, 11h00).» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230204-pt-sub-17-regressam-as-vitorias-no-estoril

#fcporto    #sub17

Taça de Portugal: F.C. do Porto 47 vs Académico de Viseu 23 - FC Porto bateu o Académico de Viseu nos 16 avos de final da Taça de Portugal.


«MISSÃO CUMPRIDA NO REGRESSO À COMPETIÇÃO 
3 DE FEVEREIRO DE 2023 22:33

FC Porto bateu o Académico de Viseu por 47-23 nos 16 avos de final da Taça de Portugal.

47 dias de espera valeram a pena para os adeptos do FC Porto assistirem a mais um triunfo contundente da equipa de andebol. Nos 16 avos de final, os azuis e brancos mostraram estar em forma e bateram natural e tranquilamente o Académico de Viseu por 47-23 no Dragão Arena. Diogo Branquinho, com 11 golos, foi o melhor marcador da partida.

Foi Miguel Alves o primeiro a satisfazer a veia goleadora num encontro em que, durante 15 minutos, o adversário ainda conseguiu competir com os tricampeões nacionais. O FC Porto apresentou-se com uma equipa com rotinas da off season – Diogo Branquinho foi o único elemento do sete inicial que participou no mundial em janeiro – e, com a agressividade positiva defensiva que os carateriza, aliada a uma exibição muito competente de Sebastian Frandsen, os Dragões rapidamente neutralizaram os viseenses e cavaram uma diferença expressiva no marcador. 26-13 era o resultado ao intervalo.

Numa segunda parte em que a história se repetiu inevitavelmente devido à diferença de qualidade entre as duas equipas, mesmo com protagonistas diferentes face à rotação promovida por Magnus Andersson, o destaque foi para a estreia de Mamadou Diocou, lateral direito hispano-senegalês que se estrou a marcar de azul e branco aos 58 minutos. O primeiro remate certeiro seguiu-se a uma rápida mudança de direção com entrada aos seis metros, espelho do que o mais recente reforço pode aportar ao plantel do FC Porto. 30 minutos jogados com o destino da partida já definido terminaram num claro 47-23 e com a passagem aos oitavos de final.

“Estou muito satisfeito com a forma como jogámos, divertimo-nos e mantivemos o foco desde início. Tivemos uma segunda pré-época muito boa, estou muito satisfeito, os treinos têm sido intensos. Fomos a França jogar três amigáveis, tivemos três bons resultados e sinto que estamos a melhorar cada vez mais. Na quarta-feira, vamos jogar a outro nível, mas é bom anteceder esse encontro com uma vitória”, afirmou o treinador dos da Invicta após o embate.

Segue-se um teste de exigência e importância máximas na Liga dos Campeões. Os portistas recebem o Dínamo de Bucareste na próxima quarta-feira (19h45, Porto Canal/FC Porto TV) no Dragão Arena.

FICHA DE JOGO

FC PORTO-ACADÉMICO DE VISEU, 47-23

Taça de Portugal, 16 avos de final

3 de fevereiro de 2023

Dragão Arena

Árbitros: Vânia Sá e Marta Sá

FC PORTO: Sebastian Frandsen e Nikola Mitrevski (g.r); Pedro Valdés (3), André Sousa (1), Victor Iturriza, Pedro Cruz, Nikolaj Laeso (3), Rui Silva (4), Daymaro Salina (2), Ignacio Plaza (4), Jack Thurin (6), Mamadou Diocou (1), Diogo Branquinho (11), António Areia (2), Miguel Alves (6) e Fábio Magalhães (4)

Treinador: Magnus Andersson 

ACADÉMICO DE VISEU: Rodrigo Gameiro, António Silva e Rúben Sousa (g.r.); André Lima, Aldrin Andrade (2), Tiago Heber, Miguel Cortinhas (6), Eduardo Almeida (4), José Guerra (1), Benjamin João (1), Kevin Diaz (4), Jefferson Bastos (1), Eduardo Martins (1), Miguel Vieira (1), Diogo Quintas (1) e Diogo Liberato (1)

Treinador: Rafael Ribeiro

Ao intervalo: 26-13» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230203-pt-missao-cumprida-no-regresso-a-competicao

#fcporto    #andebol    #diogobranquinho

03/02/23

História - Ao longo da História, vários episódios terríveis moldaram a vida da população, alguns dos quais consequências até aos dias de hoje.


«De vulcões a guerras, estes foram os 7 piores anos de sempre para se viver

Ao longo da História, vários episódios terríveis moldaram a vida da população, alguns dos quais consequências até aos dias de hoje. 

Qualquer humano que tenha experienciado a vida na Terra ao longo dos últimos três anos dirá que este foi um período marcado por catástrofes e um enorme espírito de resiliência, face à pandemia da covid-19 e à guerra na Ucrânia.

No entanto, a História da Humanidade está repleta de anos negros e de grande sofrimento para a humanidade, seja por desastres naturais, crises económicas ou doenças que se espalham com enorme facilidade.

1346 — A Peste Bubónica

O ano de 1346 é frequentemente referido como um dos mais nefastos na história, já que representou o período em que a peste bubónica começou a alastrar-se pela Europa. A doença acabou por matar cerca de 75-200 milhões de pessoas ou 30-50% da população da Europa.

Alguns dos sintomas da doença incluíam febre, arrepios, vómitos, diarreia e os bubões indicadores de infeção. Globalmente, a taxa de mortalidade foi de cerca de 50%. Nesta época, as pessoas eram frequentemente enterradas vivas por estarem demasiado doentes para se mexerem.

1918 — Guerra e Gripe Espanhola

O ano de 1918 não foi melhor, pelo menos por duas razões. Primeiro, representou o fim da I Guerra Mundial, um conflito que se estima que tenha resultado na morte de 16 milhões de pessoas.

As boas notícias do fim do conflito não se mantiveram durante muito tempo, já que poucos meses teve início o surto da gripe espanhola, doença que ceifou entre 50 a 100 milhões de vidas, depois de infetar 500 milhões de pessoas.

Viver durante o ano de 1918 significaria, com elevado grau de probabilidade, perder um ente querido ou alguém querido.

1945 — Fim da Guerra

À primeira vista, o fim da II Guerra Mundial seria outro motivo para se festejar. Ainda assim, este não acontecer a qualquer preço.

Só depois dos Estados Unidos da América terem lançado as mais poderosas bombas — matando cerca de 210 mil pessoas — é que os representantes das nações envolvidas no conflito aceitaram colocar termo à Guerra — na qual morreram entre 60 a 80 milhões de pessoas.

No entanto, o fim do conflito não é sinónimo de fim do sofrimento, já que muitos dos efeitos das ações dos decisores políticos acabaram por se prolongar durante anos. Especial destaque para os casos de Hiroshima e Nagasaki.

Por todo o mundo, a população também se deparou com a fome, já que o conflito criou disrupções na produção e na distribuição de comida em todo o mundo.

536 — O Ano em que os vulcões acordaram

Em 536, o mundo atravessava a A Pequena Idade do Gelo da Antiguidade Tardia, um período de arrefecimento planetário e que durou entre 450-700. Estas alterações no clima provocaram igualmente fome e a propagação de doenças.

No entanto, o grande evento aconteceu no norte da Europa, especificamente na Islândia, com a erupção de um vulcão.

Estima-se que esta tenha sido tão grande que pintou os céus de todo o continente de cinzento graças a uma névoa que ali permaneceu durante um ano inteiro.

Devido ao impacto direto deste fenómeno na agricultura, os indivíduos depararam-se com a fome extrema.

Durante o mesmo período, quando o Império Romano ainda vigorava, o seu território foi invadido por um conjunto de invasões bárbaras.

De acordo com os livros de história, o imperador romano Justiniano ficou tão perturbado com tudo o que estava a acontecer que teve um colapso nervoso e faleceu.

O ano de 536 é mesmo considerado o pior ano da história da Humanidade.

1816 — O ano sem verão

O ano de 1816 também merece destaque nesta lista por vários motivos. No sudoeste asiático, mais especificamente na Indonésia, uma erupção vulcânica causou alterações profundas no clima, o que, mais uma vez, se refletiu nas colheitas e na alimentação da população.

Estima-se que 200 mil pessoas tenham perdido a vida devido a estas disrupções.

Mas 1816 não se fica por aqui, já que como consequência destas alterações, uma parte significativa do globo ficou coberta de neve.

Segundo os especialistas, tal deve-se às cinzas e ao pó lançados para a atmosfera, que refletiam a luz solar e faziam com que a temperatura global descesse.

Na Europa, o Inverno de 1816 foi tão mau que nevou em agosto, e as pessoas foram reportadas como tendo congelado.

1630 — O Pesadelo de Roma

Este ano foi especialmente difícil para os habitantes da Cidade Eterna, que viram a sua população diminuir drasticamente como consequência de um surto de peste, que se estima ter matado 20 mil pessoas.

Paralelamente, uma série de terramotos atingiu a cidade, causando ainda mais destruição e desespero. É caso para dizer que sobreviver em Roma, no ano de 1630, foi um autêntico milagre.

1929 — A Grande Depressão

Alguns séculos depois, não foram as doenças, a fome ou a guerra a causar o desespero da população. Na verdade, o grande evento que marcou este ano teve origem na atividade humana: a Grande Depressão.

Tudo começou com o crash da bolsa de Wall Street, o que levou milhões de pessoas aos bancos para levantarem as suas poupanças.

As instituições financeiras acabaram por não resistir, precipitando a economia norte-americana e, posteriormente, a global. Empregos foram perdidos, os sem-abrigos multiplicavam-se e os suicídios sucediam-se.

Foi também um ano em que diversas doenças modernas emergiram, como consequência do estilo de vida pouco saudável.

ZAP //» in https://zap.aeiou.pt/vulcoes-guerras-piores-anos-para-viver-519735

(O pior ano da história para estar vivo)

#história    #mundo    #catástrofes

02/02/23

F.C. do Porto Hóquei Patins: HC Braga 1 vs F.C. do Porto 1 - O FC Porto empatou nesta quarta-feira diante do HC Braga, no Pavilhão Gimnodesportivo de Sequeira, em jogo da 15.ª jornada do Campeonato Nacional de hóquei em patins.


«DOIS PONTOS DEIXADOS EM BRAGA 
1 DE FEVEREIRO DE 2023 22:38

FC Porto esteve a ganhar, mas empatou com o HC Braga (1-1) na 15.ª jornada do campeonato.

O FC Porto empatou nesta quarta-feira diante do HC Braga (1-1), no Pavilhão Gimnodesportivo de Sequeira, em jogo da 15.ª jornada do Campeonato Nacional de hóquei em patins. Com este resultado, os azuis e brancos passam a somar 35 pontos, menos quatro do que o líder Benfica.

Nunca é fácil jogar em casa do HC Braga e a primeira parte foi um exemplo claro disso, pois terminou sem golos. Apesar do maior ascendente portista, os bracarenses aguentaram o nulo até ao intervalo, mantendo o jogo em aberto para a etapa complementar. Gonçalo Alves inaugurou o marcador e deu vantagem aos campeões nacionais na cobrança de um livre direto (38m), mas os bracarenses chegariam ao empate com um desvio de Vítor Hugo que enganou Xavier Malián. Os Dragões ainda tentaram chegar à vitória nos derradeiros três minutos, mas já não foram a tempo.

Na 16.ª jornada do campeonato, o FC Porto recebe o Valongo no Dragão Arena (sábado, 19h00, FC Porto TV/Porto Canal).

FICHA DE JOGO

HC BRAGA-FC PORTO, 1-1

Campeonato Nacional, 15.ª jornada

1 de fevereiro de 2023

Pavilhão Gimnodesportivo de Sequeira

Árbitros: Miguel Guilherme e Bruno Henriques

HC BRAGA: Nélson Filipe (g.r.), António Trabulo, Diogo Seixas, Pedro Mendes e Vítor Hugo

Suplentes: Tomás Teixeira (g.r.), Gonçalo Meira (cap.), Tiago Sanches, Tomas Korosec e Rúben Pereira

Treinador: Tó Neves

FC PORTO: Xavier Malián (g.r.), Xavier Barroso, Ezequiel Mena, Gonçalo Alves e Carlo Di Benedetto

Suplentes: Tiago Rodrigues (g.r.), Miguel Henriques, Reinaldo García (cap.), Rafa e Diogo Barata

Treinador: Ricardo Ares

Ao intervalo: 0-0

Marcadores: Gonçalo Alves (38m), Vítor Hugo (47m)» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230201-pt-dois-pontos-deixados-em-braga

#fcporto    #hóqueipatins

Religião - Celebrada no dia 2 de fevereiro, data em que a Igreja faz memória da Festa Litúrgica da Apresentação do Senhor, Nossa Senhora das Candeias, da Luz, da Purificação ou da Candelária.


«Conheça a história e devoção de Nossa Senhora das Candeias ou Nossa Senhora da Luz 
Frei Augusto Luiz Gabriel, OFM

Celebrada no dia 2 de fevereiro, data em que a Igreja faz memória da Festa Litúrgica da Apresentação do Senhor, Nossa Senhora das Candeias, da Luz, da Purificação ou da Candelária – todos estes títulos designam a mesma Nossa Senhora -, tem sua história e vínculo a partir da purificação de Nossa Senhora e Apresentação do Menino Jesus no Templo, quarenta dias após o seu nascimento. Além disso, outras narrações relatam suas origens, como a lenda das Ilhas das Canárias e também a partir da devoção popular.

Segundo a tradição mosaica, após o parto, as parturientes eram consideradas impuras e deveriam ir ao Templo, quarenta dias após o nascimento de seus filhos, para se apresentarem ao Sumo-Sacerdote e oferecer seus sacrifícios. Sendo assim, após o nascimento de Jesus, Maria e José se dirigiram até Simeão para cumprir este preceito. Assim nasceu a Festa da Apresentação de Jesus no Templo e também a Festa da Purificação de Nossa Senhora.

Sobre a origem e aparição de Nossa Senhora das Candeias, encontram-se no livro “Maria, uma Mãe, muitos títulos”, do Pe. José Battisti, palotino, relatos que explicam a aparição de Nossa Senhora nas Ilhas das Canárias, Espanha. Lê-se que dois pastores guardavam costumeiramente seus animais perto de uma caverna de Tenerife, Ilhas Canárias, e em um determinado dia observaram que os animais se recusaram a entrar no local. Os pastores, então, aproximaram-se da gruta e descobriram a imagem de uma Senhora com um filho no colo. O fato se espalhou pela região e o povo foi averiguar para validar o fato. Chegando lá, encontraram numerosas candeias sustentadas por seres invisíveis que, com seus cânticos, louvavam a Deus e à Virgem Maria. Por isso, Maria ganhou o título de Candelária, por causa das velas que iluminavam a imagem. Já o nome “candeias” faz referência à chama da vela que, simbolicamente, apresenta Jesus Cristo ao mundo. É por isso que as imagens devocionais ilustram Maria segurando o Menino Jesus ao colo.

Pela devoção popular, nos primórdios do cristianismo, a festividade de Nossa Senhora era denominada “das Candeias” porque comemorava-se o trajeto de Maria até o Templo, com uma procissão, na qual os devotos portavam velas acesas durante o trajeto. A procissão dos luzeiros é proveniente de um antigo costume dos romanos. Como a festividade era celebrada sempre no dia 2 de fevereiro, data em que os cristãos comemoravam a Purificação de Maria, o Papa Gelásio I (492-496) instituiu um solene cortejo noturno em homenagem à Mãe Santíssima, convidando o povo a participar com círios e velas acesas e cantar hinos em louvor a Nossa Senhora. Esta celebração propagou-se por toda a Igreja Romana e, em 542, Justiniano I instituiu-a no Império do Oriente após ter cessado uma peste. Mas as festas religiosas começaram a ser celebradas com procissão de velas a partir do século X, um pouco mais tarde, mas que fazem memória e celebram a fé em Maria e no seu Filho Jesus.

A partir destes fatos, pode-se afirmar teologicamente que Jesus é Aquele cuja luz clarifica todos os povos e todas as gentes. Então, Nossa Senhora das Candeias, pode ser também a Nossa Senhora da Luz, pois ambas apresentam Jesus, a Luz das nações. Nossa Senhora é portadora da luz que é Jesus. Todos os cristãos são convidados a receber essa luz e multiplicar as ‘grandes maravilhas’ operadas em Maria pelo Senhor. Assim como Jesus foi luz de todas as nações, todos os discípulos seus, no cotidiano da vida podem ser também a luz do Senhor.

Frei Augusto Luiz Gabriel, ofm, é religioso franciscano da Ordem dos Frades Menores. Graduado em Filosofia pelo Centro Universitário de Curitiba (FAE), atualmente cursa o quarto ano de Teologia no Instituto Teológico Franciscano em Petrópolis (RJ).

Este artigo foi publicado originalmente na “Revista Ave-Maria”.

Free Download WordPress ThemesDownload WordPress Themes FreeDownload Nulled WordPress ThemesFree Download WordPress Themesdownload udemy paid course for freedownload intex firmwareDownload WordPress Themes Freelynda course free download

Frei Augusto Luiz Gabriel» in https://franciscanos.org.br/vidacrista/conheca-a-historia-e-devocao-de-nossa-senhora-das-candeias-ou-nossa-senhora-da-luz/#gsc.tab=0

(Encerramento da Romaria de Nossa Senhora das Candeias 2018)

#religião    #nossasenhoradascandeias

Ligaportugal1: Marítimo 0 vs F.C. do Porto 2 - Um grande FC Porto resistiu a uma chuva de expulsões e venceu o Marítimo, na Madeira.


«PORTÍSSIMO 
1 DE FEVEREIRO DE 2023 20:57

Um grande FC Porto resistiu a uma chuva de expulsões e venceu o Marítimo (2-0), na Madeira.

O FC Porto venceu nesta quarta-feira o Marítimo (2-0), na Madeira, em partida a contar para a 18.ª jornada da Liga, a primeira da segunda volta. Wendell (50m) e Galeno (55m) foram os marcadores de serviço nos campeões nacionais, que passam a somar 42 pontos, menos oito do que o líder Benfica, que tem mais um encontro disputado.

Não há como dizer as coisas de outra maneira: Fábio Veríssimo foi a grande figura da primeira parte deste Marítimo-FC Porto. Como se não bastasse ter perdoado o segundo cartão amarelo a Val Soares em mais do que uma ocasião, mostrou dois a Bernardo Folha em lances que não o justificavam e deixou os Dragões em inferioridade numérica (38m). Antes disso, já tinha mostrado o cartão vermelho direto a Vítor Bruno, adjunto de Sérgio Conceição, que também foi expulso no mesmo minuto que Bernardo Folha. Aos 40 minutos de jogo, Fábio Veríssimo já tinha mostrado três cartões vermelhos ao FC Porto.

O desfile de cartões vermelhos prosseguiu pouco depois com o segundo cartão amarelo a Pablo Moreno, mas pela primeira vez o árbitro de Leiria acertou na decisão e as duas equipas ficaram reduzidas a 10 elementos (42m). No que diz respeito ao futebol jogado, que quase passou despercebido perante o triste espetáculo protagonizado por Fábio Veríssimo na etapa inicial, importa sublinhar que os campeões nacionais estiveram quase sempre por cima, mas os madeirenses também tiveram as suas aproximações perigosas à baliza de Diogo Costa. Até que o intervalo chegou com zero golos e uma dezena de cartões mostrados.

A etapa complementar trouxe finalmente o que o futebol tem de melhor: os golos. O primeiro foi assinado por Wendell com um grande remate à entrada da área que deixou Makaridze pregado ao relvado (50m). O segundo resultou de uma magnífica combinação entre Otávio e Pepê com este último a assistir Galeno para um remate indefensável já em pleno coração da área madeirense (55m). No espaço de apenas cinco minutos, os campeões nacionais colocaram o resultado em 2-0 e mantiveram-no a salvo de qualquer reação do Marítimo, que em abono da verdade pouco ou nada incomodou Diogo Costa no segundo tempo. Se há vitórias que são conquistadas contra tudo e contra todos, esta foi uma delas.» in https://www.fcporto.pt/pt/noticias/20230201-pt-portissimo

#fcporto    #ligaportugal1

Pin It button on image hover