14/03/16

História de Portugal - O Ministério do Património e da Cultura de Omã anunciou esta segunda-feira a descoberta de um navio português naufragado numa ilha remota de Omã, em 1503, quando fazia a carreira da Índia, incluído na armada de Vasco da Gama.


 
«Navio da armada de Vasco da Gama encontrado em Omã
14 Mar, 2016 - 09:09

A nau “Esmeralda” foi primeiro descoberta por uma empresa britânica, em 1998, mas o levantamento arqueológico só começou em 2013. Foram recuperados quase três mil artefactos, entre os quais um emblema pessoal de D. Manuel I.

O Ministério do Património e da Cultura de Omã anunciou esta segunda-feira a descoberta de um navio português naufragado numa ilha remota de Omã, em 1503, quando fazia a carreira da Índia, incluído na armada de Vasco da Gama.

O navio é, de acordo com aquela entidade, a mais antiga embarcação dos Descobrimentos Portugueses encontrado e cientificamente investigado por arqueólogos.

Em comunicado, o ministério indica que o navio português naufragou durante uma tempestade ao largo da ilha Al Hallaniyah, na região Dhofar, de Omã. O local do naufrágio foi inicialmente descoberto pela empresa britânica Blue Water Recoveries Ltd. (BWR), em 1998, no 500.º aniversário da descoberta de Vasco da Gama do caminho marítimo para a Índia.

Contudo, o ministério só deu início ao levantamento arqueológico e à escavação em 2013, tendo sido desde então realizadas mais duas escavações em 2014 e 2015, com a recuperação de mais de 2.800 artefactos.

Os principais artefactos, que permitiram identificar o local do naufrágio como sendo a nau “Esmeralda”, de Vicente Sodré, incluem um disco importante de liga de cobre, com o brasão real português e uma esfera armilar e um emblema pessoal de D. Manuel I.

A mesma fonte indicou que foram também encontrados um sino de bronze, com uma inscrição que sugere que o navio data de 1498, cruzados de ouro, cunhados em Lisboa entre 1495 e 1501 e um moeda de prata rara, chamada Índio, que D. Manuel I terá mandado fazer especificamente para o comércio com a Índia.

"A extrema raridade do Índio (só se conhece um outro exemplar no mundo inteiro) é tal, que possui o estatuto lendário da moeda ‘perdida’ ou ‘fantasma’ de D. Manuel I", adiantou o ministério de Omã.

Na nota é também referido que "o projecto foi gerido conjuntamente por este ministério e David L. Mearns da BWR, tendo-se respeitado rigorosamente a Convenção da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Subaquático de 2001".

Um achado muito "relevante"

O historiador Paulo Pinto classifica como "achado arqueológico muito importante e relevante" a confirmação de que o navio português naufragado na região de Omã integrava a armada de Vasco da Gama.

O investigador do Centro de História d`Aquém e d'Além-Mar (CHAM) da Universidade Nova de Lisboa explica que este "navio era poderoso e o mais importante da armada". "Se foram agora encontrados os seus restos, é um achado arqueológico muito importante e relevante até para a compreensão do que foram estes primeiros anos da presença portuguesa naquela região", disse à agência Lusa.

O investigador esclarece que o navio e o capitão estavam integrados na armada de Vasco da Gama quando chegaram à Índia, mas as circunstâncias que rodearam o naufrágio e os conduziram ao naufrágio não têm nada a ver com a viagem de Lisboa para a Índia. "O que aconteceu foi o seguinte: a primeira armada para a Índia foi a de Vasco da Gama, a segunda, a de Pedro Álvares Cabral, a terceira, a de João da Nóvoa e o Vicente Sodré foi na quarta armada" à qual pertence este navio.

De acordo com o investigador, em 1502 partiu uma poderosa armada em direcção à Índia, tendo Vasco da Gama regressado a Portugal mais tarde e Vicente Sodré ficado na região da actual Omã.

"É este capitão Vicente Sodré que fica incumbido de continuar a patrulhar a costa ocidental indiana e impor-se pela força, [era recorrente nesta conjuntura]. O importante desta armada e deste navio que naufragou é que foi a primeira armada que ficou na Índia", esclareceu. Segundo Paulo Pinto, Vicente Sodré efectuou uma série de acções de retaliação contra navios muçulmanos nesta região e a certa altura patrulhou aquela região de Omã.

"As fontes falam que o navio se perdeu junto às ilhas de Cúria Múria provavelmente em Abril ou Maio de 1503, o que bate certo com o local onde [agora] dizem ter encontrado o navio. Depois terá aparecido um tufão, um temporal e o navio afundou", disse, adiantando que terão sobrevivido apenas uma ou duas pessoas.» in http://rr.sapo.pt/noticia/49233/navio_da_armada_de_vasco_da_gama_encontrado_em_oma?utm_source=rss


(Vasco da Gama o descobridor da Índia)


Armada Real Portuguesa [1410-1910 ]


The Intrepid Vasco da Gama's Voyage To India

Sem comentários:

Enviar um comentário