09/02/16

História - Terá mais de 6 mil anos e tem raízes no Alvão, em Trás-os-Montes, tendo sido criado 1000 anos antes do Alfabeto Fenício, eis o Alfabeto do Alvão.



«Escrita do Alvão: o primeiro alfabeto do mundo foi criado há 6 mil anos em Trás-os-Montes

Terá mais de 6 mil anos e tem raízes no Alvão, em Trás-os-Montes, tendo sido criado 1000 anos antes do Alfabeto Fenício. Descubra a o Alfabeto do Alvão.

Acredita-se que a história do alfabeto se tenha iniciado no Egito Antigo, quando já havia decorrido mais de um milénio da história da escrita. O primeiro alfabeto consonantal teria surgido por volta de 2000 a.C., representando o idioma dos trabalhadores semitas no Egipto (ver Alfabetos da Idade do Bronze Médio), e que foi influenciado pelos princípios alfabéticos da escrita hierática egípcia. Quase todos os alfabetos do mundo hoje em dia descendem directamente deste desenvolvimento, ou foram inspirados por ele.

O alfabeto mais utilizado no mundo é o alfabeto latino, derivado do alfabeto grego, o primeiro alfabeto ”real”, por designar de maneira consistente letras tanto a consoantes quanto a vogais. O alfabeto grego, por sua vez, veio do alfabeto fenício, que na realidade era um abjad – um sistema no qual cada símbolo representa uma consoante.

Alertamos os nossos leitores para o facto de não se dever confundir escrita com alfabeto. A escrita terá sido inventada pelos Sumérios. O alfabeto é uma forma evoluída e padronizada de representar sons que foi criada posteriormente para uniformizar a escrita.

Os historiadores aceitam o Fenício como o alfabeto mais primitivo e rudimentar que se conhece, com cerca de 5 mil anos de antiguidade. Começam, no entanto, a surgir outras hipóteses, levantadas sobretudo por achados arqueológicos ainda por decifrar, que apontam para um surgimento anterior aos Fenícios e, o Alfabeto do Alvão, com 6 mil anos, é o melhor candidato a ser considerado o Alfabeto mais antigo do mundo.

Nos finais do século XIX, no Alvão, Nordeste de Portugal, nas mágicas terras de Trás-os-Montes, encontraram-se, junto a um dólmen, uma série de pedras esculpidas e gravadas com signos idênticos aos de Glozel e com uma antiguidade de mais de 6.000 anos, no mínimo. Esta descoberta foi tão extraordinária que, no princípio, se duvidava dela. Só depois, após a descoberta de Glozel (França) é que foi considerada a sua autenticidade. As pedras do Alvão têm formas de animais e de homens e estão gravadas, claramente, com signos alfabéticos que no início foram considerados ibéricos.

Em 1927, José Teixeira Rego, em “Os Alfabetos do Alvão e de Glozel, Vol. III, trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, Porto, diz: Glozel é sem dúvida autêntico e tem uma estreita ligação com o Alvão”.» in http://ncultura.pt/escrita-do-alvao-o-primeiro-alfabeto-do-mundo-foi-criado-ha-6-mil-anos-em-tras-os-montes/

2 comentários:

  1. Um erro repetidamente espalhado pela net, acriticamente. A imagem é um desenho dos caracteres existentes numa estela encontrada em Bensafrim, Lagos, Algarve, bem longe de Trás-os-Montes. Mas houve alguém que abusivamente decidiu utilizá-la para ilustrar um texto relativo à "Escrita do Alvão" há mais de 100 anos encontrada gravada em pequenas placas num dólmen perto da Lixa do Alvão, e desde então este erro crasso reproduz-se mais e mais, de cada vez que um qualquer copista pretensioso se lembra de mostrar ao patrão que consegue justificar o que ganha no final do mês.
    Eu sei que é remar contra a maré, mas vale como desabafo.

    ResponderEliminar
  2. Fica registada a sua respeitável opinião, obrigado por ajudar a esclarecer melhor... muito obrigado!

    ResponderEliminar