23/12/15

Castelo de Paiva - Aqui se conta a sua verdadeira história, do melhor pão-de-ló do universo, a partir de uma pequena fábrica na aldeia de Folgoso, na margem esquerda do Douro.



«Já provou o melhor pão-de-ló do universo?

Dizem que é o melhor pão-de-ló do universo - e afirmá-lo talvez não seja ousadia. Aqui se conta a sua verdadeira história, a partir de uma pequena fábrica na aldeia de Folgoso, na margem esquerda do Douro.

É simples, a história deste pão-de-ló. Assim como parece ser simples a sua confeção (naturalmente, terá uma pitada de segredo pelo meio). O melhor pão-de-ló do universo, atribuição que lhe foi dada por José Miguel Júdice, quando, há cinco anos, o descobriu num restaurante em Leça da Palmeira, Matosinhos, faz-se com calma. Quase com a mesma pacatez que corre na aldeia de Folgoso, no Vale de S. Domingos, Castelo de Paiva, na margem esquerda do rio Douro.

António Oliveira e a mulher, Eulália, ambos com 43 anos, entram na unidade de produção (à porta de casa) às seis da manhã. Nesta época do ano, “saem uns 250 bolos por dia”. Na banca, alinham-se 24 batedeiras (cada uma destinada à confeção de um pão-de-ló) que, durante dez minutos, batem as gemas e as claras pasteurizadas, açúcar e farinha (ou chocolate em pó, no caso da variação de chocolate). “Todas as medidas têm que estar certas”, diz António, o criador da receita. “Têm que levar a quantidade certa de açúcar (250 gramas para cada um). Não pode ser muito doce nem muito amargo, tem que estar no ponto”. Depois, é só pôr os tabuleiros retangulares nos fornos (há 12), numa temperatura média, durante meia hora. O segredo? “É a dedicação”, apressa-se a garantir António. “Cada vez gostamos mais de fazer pão-de-ló. Há muita gente que gosta dele e sentimo-nos gratos por isso”, realça, com a maior simplicidade do universo (acrescentamos nós).

António Oliveira já se dedicava à confeção do pão-de-ló há uns bons anos (depois de ter aperfeiçoado a receita de um que existia no restaurante da sua irmã, Amélia) quando o advogado e empresário Júdice meteu a colherada no doce. Ficou de tal maneira surpreendido com a iguaria que telefonou a António a propor uma parceria com o grupo Lágrimas Hotels & Emotions. E assim nasceu o título: o melhor pão-de-ló do universo. E porque não? “Não é melhor do que os outros, mas é diferente pelas suas características”, salienta o pasteleiro, sem pretensiosismos. Fofo, húmido (com as gemas mal cozidas) e retangular serão talvez os três pontos que o distinguem dos restantes. Mas gostos não se discutem, claro. E António, um dos oito filhos de um mineiro do Pejão, sabe disso. O melhor é meter a colherada, e comprovar por si mesmo.

Casa de Pão-de-Ló do Vale de S. Domingos > Folgoso, Raiva, Castelo de Paiva > T. 255 766 060

Infante Sagres Palace > Pç. D. Filipa de Lencastre, 62, Porto > T. 22 33 98 500

Quinta das Lágrimas > R. António Augusto Gonçalves, Coimbra > T. 239 802 380

Hotel da Estrela, R. Saraiva de Carvalho, 35, Lisboa > T. 21 19 00 100» in http://visao.sapo.pt/actualidade/visaose7e/comer-e-beber/2015-12-23-Ja-provou-o-melhor-pao-de-lo-do-universo-

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pin It button on image hover