07/04/17

Amarante Literatura - Pascoaes lembrava as noites em Coimbra, a tasquinha da Tia Joaquina com as sardinhas assadas nas brasas, o Toque da Cabra e a voz do Hilário a quebrar o silêncio da noite luarenta.



«Pascoaes viveu ainda em Coimbra, na Rua da Ilha, 12 e na Rua dos estudos, 14. De colaboração com Afonso Lopes Vieira, publicou «Profecia» sobre a Guerra dos Boers.

Terminado o curso em Coimbra, em 1901, foi passar umas férias à Ilha de S. Miguel, nos Açores, em casa do seu condiscípulo e grande amigo Faria e Maia, e veio encantado com a beleza da paisagem.

A vida em Coimbra fora aliciante. Pascoaes sempre a recordava com muita saudade. Lembrava aquele dia, quando ainda caloiro: ia a entrar na Porta Férrea e esperava-o o canelão. Uma voz gritou: «Dá naquele que é poeta!» E logo um quinta-nista desconhecido lhe pôs a pasta sobre a cabeça em sinal de protecção.

Depois, ficaram amigos.

Lembrava as noites em Coimbra, a tasquinha da Tia Joaquina com as sardinhas assadas nas brasas, o Toque da Cabra e a voz do Hilário a quebrar o silêncio da noite luarenta.

Lembrava a vida na República e o convívio com outros poetas e os seus condiscípulos: o Fausto Guedes Teixeira, o Augusto Gil, o Afonso Lopes Vieira, o Abel de Mendonça, o Faria e Maia, o João direito, o João Lúcio, o Afonso Duarte; o Alexandre Braga, o Eugénio de Castro, o Correia de Oliveira - e muitos outros.

Lembrava a homenagem a João de Deus, em Lisboa, onde o Hilário cantou, corrigindo uma quadra brejeira e lançando depois a guitarra aos pés de João de Deus:

«Se o Padre Santo soubesse
O gosto que o fado tinha...

A assistência ficou suspensa... Depois respirou fundo.

«Canonizava o João
Mais um santo par'a folhinha...»

Por essa altura, Pascoaes fez também uma quadra para ser cantada à guitarra:

"Saudade, palavra escura
Mas por dentro iluminada.
É como na noite sombria
Um beijo da madrugada."» in Fotobiografia "Na sombra de Pascoaes" de Maria José Teixeira de Vasconcelos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pin It button on image hover