03/11/16

Amarante Fregim - Dos últimos tempos em que as florestas não estavam ainda abandonadas pelos humanos, ao fogo, ao fumo e ao pó...



«Os homens e a floresta…

Andei muito com os meus primos pelos montes da família, com os rebanhos de ovelhas que estes pastoreavam e que ajudavam ao sustento familiar, pelos anos oitenta e sempre me intrigaram os buracos em forma de bacia com vestígios de carvão, que apareciam de longe a longe nos terrenos. Eram os fornos dos carvoeiros, descobri mais tarde, em que homens vestidos e sujos de negro, apresentavam uma aura quase mística. No lusco fusco das tardes, lá vinham eles, quais personagens misteriosas da noite, carregar o carvão em sacos de serapilheira.

Esse produto vegetal que resultava da queima de ramos mais rasteiros dos pinheiros e de detritos biológicos que as florestas criavam naturalmente. Normalmente, queimavam esses restos da floresta, em poços previamente construídos para o efeito e depois deitavam terra por cima das fogueiras e o fogo continuava em brasa, sob esse manto de terra, a produzir o carvão tão útil para as braseiras no inverno, os aquecedores da época. Ainda me lembro de ver passar por nós, os primos, um velho homem de negro e com sacos de carvão. Olhou para nós, fitou-nos de frente, disse-nos para lhe vigiarmos os fornos que mais tarde viria. Como se tratava já de um homem de idade avançada, nunca mais o vi, e por uns tempos, ainda foi possível ver os poços vazios, entregues aos matagais. Para jovens como nós, foi um momento de inquietação a passagem daquele homem, oriundo da floresta e imerso nela, dando a ideia que lhe pertencia.

Aliás, eu e os primos, como tínhamos que acompanhar as ovelhas, fruíamos a floresta e os campos abandonados de todas as formas e feitios. Ora fazíamos pequenas quadras para jogar futebol, em improvisados ervados, onde disputávamos jogos de futebol, dois contra dois, em tardes de verão intermináveis. Outra brincadeira era jogar aos cowboys, onde quem se escondia melhor entre matos e rochas, apanhava os outros na sua mira, campo de visão, e dizia o nome do eliminado. Os primos trepavam árvores como ninguém e era um gosto vê-los a subir aos ninhos de rolas e de pegas. Como moço vindo da cidade, jamais tive a sua apetência para subir pelas árvores acima, puxando com pernas e braços num estilo bem simiesco. E comíamos amoras, bebíamos água fresca das levadas de rega dos lavradores que nascia em minas, pinhões, uvas, maças, peras, figos, laranjas, tangerinas…

Outros personagens curiosos dos montes eram os resineiros. Colocavam uns recipientes de borracha na parte inferior dos troncos dos pinheiros, golpeavam-nos com mestria e estes ficavam a escorrer a resina, um produto dos pinhais muito útil para a industria nacional. Claro que nos anos oitenta, o país ainda não tão fustigado pelo terrível drama dos incêndios florestais, muito por causa deste aproveitamento holístico de todos os recursos da floresta. Afinal, nessa altura ainda se faziam as camas do gado, com o mato dos montes e as prometidas centrais de biocombustão que absorveriam muitos dos materiais sobrantes das florestas, foram apenas planos que ficaram nas gavetas dos executores dos fundos europeus.

«Portugal, que foi um dos líderes mundiais deste produto, tendo chegado a produzir 140.000 toneladas em 1984, contrastando com a modesta produtividade mais recente, de 6.000 tn em 2012, ou 4.500 tn em 2009. A resina é formada por várias substâncias (ácidos, álcool e óleo) e da destilação da resina obtêm-se dois produtos para a indústria de 1ª transformação: a terebintina (ou aguarrás) e a colofónia (também conhecida por pez). Depois da matéria-prima transformada, ela passa por uma outra indústria (a de 2ª transformação), onde os produtos derivados terão como destino os mais diversos fins, desde a área da medicina e indústria farmacêutica até às borrachas, passando pela cosmética e até mesmo a indústria alimentar (pastilhas elásticas). Em Portugal a resinagem é feita no pinheiro-bravo e também no pinheiro-manso, sendo uma atividade regulamentada por lei.» in http://www.agrotec.pt/noticias/resinagem-em-portugal-um-foco-de-esperanca/

E andavam sempre muitos caçadores pelos campos e montes, que nós seguíamos para ver as suas caçadas, ao coelho, maioritariamente, mas também à perdiz. Os campos e montes estavam sempre com gente, que coabitavam de forma harmoniosa. Os matos eram cortados pelos lavradores que faziam assim as camas do gado, produzindo depois um substrato fabuloso para a fertilização das terras agrícolas. A máxima de que nada se perdia, tudo se transformava, era assim consubstanciada, quase na sua plenitude.

Se isso agora era possível, claro que não. Afinal, os regatos estão empestados de químicos dos adubos, herbicidas, sulfatos… A agricultura mudou, automatizou-se, perdeu gente, é mais intensiva e agressiva para solos e cursos de água. Os montes ardem todos os Verões, num espetáculo sempre repetido, ano após ano. Se éramos mais felizes nesses tempos em que brincávamos e andávamos pelos montes é muito discutível, pois hoje em dia parece que os gadgets que a tecnologia disponibiliza aos jovens são por demais imersivos noutras realidades que, os prendem de uma forma quase obsessiva, mas que, pelo menos aparentemente, os fazem felizes.

O que não está melhor, isso é factual, é a nossa floresta autóctone, estar a ser substituída por eucaliptais, que alteram dramaticamente a nossa paisagem visual, mas pior do que isso, afetam negativamente as águas dos solos e são um ótimo combustível para as chamas que os fustigam todos os Verões. Além disso, os nossos pinhais antigos tinham manchas de carvalhos e de sobreiros que, pela sua natureza, são excelentes formas de controlar naturalmente a evolução dos incêndios florestais. Esta política de terra queimada, por muito que se queira ignorar, está a destruir paulatinamente a economia da floresta, a paisagem, o ambiente. Dizem agora que a culpa é dos pequenos proprietários florestais que não têm meios de gerir as suas pequenas parcelas de floresta. E as florestas do Estado, não ardem? E os baldios, não ardem? Cheira-me a negócio queimado, o que está para vir, no que respeita à política florestal.» in http://birdmagazine.blogspot.pt/2016/11/os-homens-da-floresta.html





THE CURE - "A Forest"


"A Forest
The Cure

Come closer and see
See into the trees
Find the girl
If you can
Come closer and see
See into the dark
Just follow your eyes
Just follow your eyes

I hear her voice
Calling my name
The sound is deep
In the dark
I hear her voice
And start to run
Into the trees
Into the trees

Into the trees
Suddenly I stop
But I know it's too late
I'm lost in a forest
All alone
The girl was never there
It's always the same
I'm running towards nothing
Again and again and again and again"

Sem comentários:

Enviar um comentário