16/09/15

Política Energética - Portugal poderá poupar este ano 6,5 mil milhões de euros com o petróleo barato, mas os combustíveis teimam em manter-se altos.



«A montanha russa do petróleo

Portugal poderá poupar este ano 6,5 mil milhões de euros com o petróleo barato. Mas os combustíveis teimam em manter-se altos. 

Recuemos um ano, até à primeira semana de setembro de 2014, para vermos as cotações do barril do petróleo Brent descerem abaixo dos 100 dólares. Olhemos agora para estes dias iniciais de setembro de 2015, em que o crude do Mar do Norte andou muito perto dos 50 dólares por barril, e façamos as contas: nos últimos doze meses, o preço do petróleo caiu cerca de 50 por cento.

Contudo, a quebra não foi linear. No primeiro semestre, a tendência foi de subida, embora ligeira, e o Brent chegou ao final de junho nos 60 dólares por barril, valendo mais cerca de 8% do que no início do ano. Só que a gasolina e o gasóleo que adquirimos nas estações de serviço subiu consideravelmente mais. Os dados da Direção Geral de Energia indicam que, na primeira metade do ano, os preços médios da gasolina subiram 16% e do gasóleo 10%. Mas, no verão, os preços voltaram a descer, acompanhando um recuo do Brent para valores próximos dos 45 dólares por barril.

A montanha-russa dos preços não é facilmente entendível pelos consumidores, que desde há muito tempo perceberam que quer o petróleo avance ou recue, os combustíveis sobem sempre com a rapidez de um foguetão e descem com a lentidão de uma pena - na definição de um antigo presidente da Autoridade da Concorrência.  

São muitos os fatores que influenciam a formação dos preços da gasolina e do gasóleo - nem todos transparentes. A cotação do petróleo é apenas um deles. Há que contar com os efeitos da lei da oferta e da procura no mercado. Não é por acaso que a aproximação das férias de verão nos Estados Unidos é assinalada por um aumento do preços dos combustíveis, antecipando as longas viagens por estrada dos gastadores veículos SUV das famílias americanas.  

Entre o momento da formação da cotação do petróleo e o gesto de encher o depósito dos  automóveis, há um ciclo que começa no momento da refinação, quando o barril de crude é transformado em gasolina, gasóleo e outros combustíveis. É nesta etapa que a formação dos preços mais depende da oferta e da procura, influenciada pela estação do ano (que implica maiores ou menores consumos deste tipo de energia), das margens praticadas pelas refinarias, dos custos de transporte, do grau de concorrência entre gasolineiras em cada país e até da maior ou menor apreciação do euro face ao dólar. Depois, há que somar ao preço final os (pesados) impostos praticados em cada país. A Apetro, que reúne os revendedores de combustíveis em Portugal, estima em 25% a 30% o peso da cotação do crude na formação do preço  dos combustíveis.


O efeito chinês

A China, já se sabe, está a crescer menos que o previsto. Importante comprador de matérias-primas produzidas no Médio Oriente e na América Latina, o abrandamento da procura naquele país asiático - que é o segundo maior consumidor de petróleo - veio baralhar as contas dos produtores de petróleo, numa altura em que a oferta de crude é propositadamente excedentária e em que o mundo assiste a uma espécie de choque petrolífero ao contrário.

Enquanto a Europa enfrentava, a partir de 2008, uma dura crise financeira, uma outra revolução energética estava a passar-se do lado de lá do Atlântico, com o início da exploração do petróleo e gás de xisto (extraídos diretamente da rocha-mãe) nos Estados Unidos. Os resultados têm sido tão animadores que os EUA ameaçam já o estatuto de maior produtor mundial, até aqui pertencente à Arábia Saudita, com uma produção diária que ronda os 10 milhões de barris. Mas os países da OPEP, liderados pelos maiores produtores, optaram por uma resposta pouco convencional, inundando o  mercado de petróleo barato a pretexto de manterem as suas quotas de mercado - mesmo perdendo dinheiro durante algum tempo. O objetivo era inviabilizar a produção de petróleo de xisto, ameaçada pela descida das cotações para níveis inferiores a 50 dólares por barril. Mas a indústria reinventou-se e alterou os seus modelos de negócio, e só muito recentemente a extração de petróleo e gás de xisto deu sinais de abrandamento, nos  meses de maio e junho. As falências e reestruturações de produtores independentes nos EUA começaram a ser notícia - O Financial Times estimou as perdas das empresas  cotadas do setor em mais de 30 mil milhões de dólares , mas ainda são os projetos de extração em águas profundas - como o da costa brasileira - os mais prejudicados pela descida dos preços do crude.  
Seja qual for o desfecho desta guerra, tornou-se mais barato atestar o depósito do carro - ainda é possível comprar gasóleo a menos de um euro por litro, em alguns postos de marca branca... - e os transportes públicos não aumentaram.


Boas e más notícias para Portugal

O petróleo mais barato é uma boa notícia para a economia portuguesa, apesar dos riscos de deflação. A manterem-se as cotações médias de 50 dólares por barril, o PIB português poderá crescer mais 0,5 a 1 pontos percentuais que os 1,5% previstos no Orçamento do Estado para 2015 (construído com base numa previsão de 96,7 dólares por barril). Já os gastos com a importação de petróleo poderão diminuir para metade, de 13 mil milhões para 6,5 mil milhões de dólares anuais.  

São as empresas exportadoras que mais sentem os efeitos que o "choque" dos preços está a provocar em economias dependentes das receitas do petróleo. Angola, o quarto maior mercado para os bens de fabrico nacional, entrou em recessão, enquanto a Venezuela continua à beira do colapso económico. Na Rússia, os "estragos" não são apenas económicos. Putin perdeu também uma das suas principais armas - a da ameaça energética - perante um Ocidente que teima em rejeitar, inclusive recorrendo a sanções, as suas pretensões sobre a Ucrânia.  

Entrámos em 2015 com o petróleo em queda, atravessámos um primeiro semestre com uma subida ligeira dos preços e aproxima-nos do final do ano a viver um clima de instabilidade nos mercados. Ou não estivéssemos a falar de uma das matérias-primas mais voláteis do mundo.» in http://visao.sapo.pt/a-montanha-russa-do-petroleo=f830362


(Queda do Preço do Petróleo e seus Impactos)

Sem comentários:

Enviar um comentário