30/09/14

Liga dos Campeões: Shaktar Donetsk 2 vs F.C. do Porto 2 - Cha Cha Cha, salta do banco onde não merecia estar e resolve mais uma vez...



«A FÉ DE JACKSON MOVEU MONTANHAS

​​Dois golos do avançado colombiano nos últimos cinco minutos permitiram ao FC Porto empatar no terreno do Shakhtar.

Quando Luiz Adriano fez o 2-0 para o Shakhtar, aos 85 minutos, parecia haver duas certezas: a injustiça do resultado e a vitória dos ucranianos. Quando Jackson fez o 2-2, em cima do terceiro dos quatro minutos de desconto concedidos pelo árbitro, os deuses do futebol relembraram-nos que não há impossíveis e que uma equipa que mantém a sua filosofia em todas as circunstâncias está sempre perto de ser recompensada. O empate, num jogo que o FC Porto merecia vencer, permitiu aos Dragões continuar no primeiro lugar do Grupo H e manter a invencibilidade nesta época.

Lopetegui optou por colocar Marcano na posição mais defensiva do meio-campo e Aboubakar como ponta de lança, em detrimento de Jackson Martínez, que ficou no banco. Na primeira parte, ambas as equipas procuraram os espaços nas costas das defesas contrárias, mas foi o FC Porto a criar mais e melhores oportunidades. A maior de todas foi o penálti conquistado por Brahimi (tocado nas costas por Kucher), que o argelino procurou converter mas o gigante Pyatov evitou. Antes, aos 18 minutos, ficou por assinalar mais um castigo máximo favorável aos Dragões, por mão ostensiva de Rakitskiy na grande área do Shakhtar.

Para além disso, importa referir que o encontro foi alegre e aberto, com a bola a rondar ambas as áreas e Danilo a fazer o primeiro aviso (aos 13 minutos) e Tello o último (aos 43) da etapa inaugural, ambos em remates cruzados. Ficará ainda na memória de quem assistiu ao jogo o momento "cabine telefónica" de Brahimi, ao passar por dois adversários num espaço de um ou dois metros quadrados. Uma delícia para quem gosta verdadeiramente de futebol.

O golo do Shakhtar, no arranque da etapa complementar, foi cruel. Óliver perdeu a bola em zona proibida, Kucher (curiosamente o autor da grande penalidade portista) roubou-a e ofereceu o 1-0 a Alex Teixeira. A matreira equipa do Shakhtar reposicionou-se imediatamente em campo, baixando linhas e passando a arriscar menos de zero. Os espaços junto à área ucraniana terminaram e o controlo do encontro foi oferecido ao FC Porto.

Quintero e Jackson Martínez entraram em campo aos 65 minutos, para aumentar a criatividade e poder ofensivo dos Dragões, e, em boa verdade, o futebol dos Dragões nunca se descaracterizou: a equipa tentou sempre trocar a bola e construir verdadeiras ocasiões de remate, ao invés de atirar bolas para a área contrária. No entanto, apesar da boa entrada em jogo de Quintero, algo falhou sempre no momento da definição Quando não falhou, como ao minuto 83, estava lá Pyatov para negar o golo ao suplente Adrián.

O azar do jogo foi todo do FC Porto, que viu uma agressão a Martins Indi ignorada e uma tocha atirada para o relvado interromper um ataque; na resposta, o Shakthar fez o 2-0 e o jogo parecia sentenciado. Não foi assim e quem menos arriscou e jogou não levou o prémio. Primeiro, Jackson converteu um penálti por mais uma mão na bola do Shaktar na sua grande área; depois, Tello rompeu pela enésima vez na área adversária e serviu desta vez na perfeição o colombiano, para o terceiro golo na edição deste ano da Champions. A festa final justifica-se pela recuperação épica, mas o resultado certo seria a vitória azul e branca.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/2014%20-%202015/a-fe-de-jackson-moveu-montanhas-9-30-2014.aspx



2014.09.30 (19h45) - Shakhtar 2-2 FC Porto (Group H)

Amarante – A Câmara Municipal de Amarante promove, no presente ano letivo, mais uma edição do Programa de Voluntariado Jovem, destinado a estudantes universitários residentes no concelho.

thumbnail_3rika

«ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DO CONCELHO PODEM FAZER VOLUNTARIADO

AMARANTE – A Câmara Municipal de Amarante promove, no presente ano letivo, mais uma edição do Programa de Voluntariado Jovem, destinado a estudantes universitários residentes no concelho.

Os objetivos deste programa passam por: estimular, nos jovens universitários, o espírito de voluntariado; contribuir para a sua formação social e cultural, através da participação em ações e projetos de utilidade social e comunitária; incrementar novos conhecimentos na área de formação e fomentar o sentido de pertença na comunidade e de responsabilidade cívica.

As candidaturas, a serem formalizadas na Casa da Portela, decorrem de 1 a 31 de outubro e devem ser feitas em formulário próprio (disponível para download no sítio do Município na Internet), acompanhadas dos documentos de identificação, declaração de rendimentos familiares (IRS, IRC, IES), nota de liquidação, comprovativo de bens imóveis, certificado de matrícula, cartão de eleitor, atestado de residência, horário, número de identificação bancária e certificado de matrícula do(s) irmão(s) que se encontrem a frequentar o ensino superior.

O Programa tem como destinatários os jovens residentes no concelho há mais de dois anos, devendo os candidatos reunir os seguintes requisitos: ter idade inferior a 30 anos; estar matriculados no ensino superior; manifestar intenção de prosseguir um programa de voluntariado em função da sua disponibilidade e do Município; apresentar sucesso educativo, não ultrapassando duas reprovações no ensino superior, durante o período de vigência do Programa.

O voluntariado pode ser desenvolvido em duas modalidades: curta duração, durante três meses (julho, agosto e setembro), correspondente a quinze horas semanais; e longa duração, durante seis meses (abril a setembro ou maio a outubro), com oito horas semanais.

As atividades de ocupação são determinadas em função das disponibilidades da Câmara e das áreas de estudo dos jovens, podendo abranger os seguintes domínios: ação social, saúde, turismo, comunicação, desporto, educação, cultura, defesa do património, proteção civil e ambiente, emprego e formação profissional, desenvolvimento da vida associativa e da economia social, promoção do voluntariado e da solidariedade social ou outras de interesse social e comunitário.

O serviço de voluntariado poderá ser desenvolvido nos Serviços Municipais, Juntas de Freguesia, outras entidades de direito público e Instituições Particulares de Solidariedade Social.

Aos jovens voluntários serão garantidos os seguintes apoios: coordenação e acompanhamento por parte da Câmara Municipal de Amarante; seguro de acidentes pessoais; bolsa mensal para compensação das despesas inerentes ao desenvolvimento do voluntariado e certificado de participação.» in http://local.pt/portugal/norte/estudantes-universitarios-do-concelho-podem-fazer-voluntariado/

Poesia - O Meu Colega e Amigo, Professor Eugénio Mourão, interpela-nos com o Poema: "Há um lugar..."


(imagem da Google)

"HÁ UM LUGAR… 

Há um lugar onde ficam as coisas,
Procuro-as até onde chegam os meus olhos,
Tão belas e felizes já foram ao acordar,
E corriam e brincavam à chuva, 
Mas o mundo ralhou-lhes e elas esconderam-se em mim.
Dantes, ainda me chamavam, e eu estendia-lhes as mãos para as acarinhar.
Já há algum tempo que não dizem nada,
Mas eu sei que ainda lá estão,
E leio-lhes os meus poemas
Sobre o sol.
Talvez tenham adormecido com a dor,
E um dia acordem como num conto de fadas.
Se não voltarem,
Hei de ir ter com elas naquele fim de tarde,
Da minha vez,
E amá-las para sempre."

Eugénio Mourão. 

UEFA Youth League (Grupo H): Shakhtar Donetsk 1 vs F.C. do Porto 1 - Jovens Dragões empatam na Ucrânia, em jogo referente à segunda jornada da competição.



«SUB-19 EMPATAM NA UCRÂNIA

Rui Pedro marcou o golo frente ao Shakhtar Donetsk (1-1), na segunda jornada da UEFA Youth League

​A equipa Sub-19 do FC Porto empatou esta terça-feira diante do Shakhtar Donetsk (1-1), no Estádio Medyk, em Morshyn, na Ucrânia, em jogo referente à segunda jornada da UEFA Youth League. Com esta igualdade, Dragões e ucranianos dividem a liderança do grupo com os mesmos quatro pontos e o mesmo saldo de golos (3-1).

Num jogo muito disputado e com poucas oportunidades, ambos os golos surgiram da marca dos onze metros. Logo aos dois minutos, na sequência de uma falta de Verdasca sobre Shtander na área portista, Vachiberadze inaugurou o marcador para os ucranianos. A resposta azul e branca não demorou muito e, pouco depois do primeiro quarto-de-hora, Rui Pedro cobrou com sucesso a segunda grande penalidade do encontro, desta feita no seguimento de uma falta sobre Verdasca, estabelecendo desde logo o resultado final (16m).

O próximo jogo do FC Porto, da terceira jornada do Grupo H da UEFA Youth League, está marcado para 21 de Outubro, às 11h00, frente ao Athletic Club, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival.

FICHA DE JOGO

Shakhtar Donetsk-FC Porto, 1-1
UEFA Youth League (Grupo H), 2.ª jornada
30 de Setembro de 2014
Estádio Medyk, em Morshyn, Ucrânia

Árbitro: Marius Avram (Roménia)
Assistentes: Valentin Avram e Mircea Grigoriu (Roménia)
Quarto árbitro: Yuriy Mozharovskyy (Ucrânia)

SHAKHTAR DONETSK: Kudryk; Kyryukhantsev, Sahutkin, Matviyenko e Ichuaidze; Vachiberadze (cap.), Kovalenko e Zubko; Shtander, Arendaruk e Boryachuk
Substituições: Zubkov por Merkushov (87m)
Não utilizados: Yefanov, Grachov, Fursov, Senytskyy, Avagimian e Pikhalonok
Treinador: Valeriy Kryventsov

FC PORTO: João Costa; Rui Silva, Verdasca, Malthe e David Sualehe; João Cardoso, Clever e Élvis; Sérgio Ribeiro (cap.), Ruben Macedo e Rui Pedro
Substituições: Clever por Bruno Costa (66m), Élvis por Jorge (79m) e Ruben Macedo por Mesquita (90m+4)
Não utilizados: Filipe Ferreira, Fernando, José Pedro e Luís Mata
Treinador: António Folha

Ao intervalo: 1-1
Marcadores: Vachiberadze (2m, g.p.) e Rui Pedro (16m, g.p.)
Disciplina: cartão amarelo a Vachiberadze (13m), Clever (45m+2), João Cardoso (59m) e Kovalenko (90m+1)» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Shakhtar-Donetsk-FC-Porto-UEFA-Youth-League.aspx

Animais - Um novo estudo revela que os cães possuem capacidades semelhantes às de um bebé de cinco meses.

Cães são tão inteligentes como um bebé de cinco meses

«Cães são tão inteligentes como um bebé de cinco meses
Publicado em 30 de Setembro de 2014.

Um novo estudo revela que os cães possuem capacidades semelhantes às de um bebé de cinco meses. À medida que o cérebro de um bebé se vai desenvolvendo, as crianças aprendem a reparar no comportamento das pessoas. Até agora, esta função cognitiva era atribuída exclusivamente aos humanos e aos primatas não humanos. Contudo, este novo estudo vem revelar que os cães, como as crianças conseguem reconhecer comportamentos objectivos.

Tal significa que os cães sabem para onde olhar e como responder às pessoas quando as circunstâncias indicam que algo de importante pode acontecer – algo que as crianças também aprendem.

Durante o estudo, os investigadores da Universidade de Milão utilizaram um teste direccionado para bebés de cinco meses nos cães e descobriram que os animais conseguiam fazer tão bem o teste quanto as crianças. Ao longo do estudo, 50 cães foram colocados numa sala onde estava um investigador e a sua resposta aos estímulos foi gravada. Durante o estudo, cães domésticos visualizaram um humano a interagir com dois objectos, um globo e um regador.

Inicialmente, os cães observaram a interacção entre a pessoa e o globo. Posteriormente, a posição do globo e do regador foram trocadas e quando se deu a troca, os investigadores verificaram que os cães observavam a pessoa e o globo na nova localização e não o regador que estava na posição anteriormente observada, refere o Daily Mail. Contudo, quando as pessoas deixavam o globo e interagiam com o regador, a atenção do cão prendia-se no regador.

Tal como as crianças, os cães passaram mais tempo a observar o humano a que estavam acostumados a ver durante a experiência do que o local que estiveram a observar primeiro. Quando um objecto inanimado, em vez de uma pessoa, foi utilizado com os outros dois objectos, a resposta dos cães foi semelhante à experiência que envolveu pessoas.» in http://greensavers.sapo.pt/2014/09/30/caes-sao-tao-inteligentes-como-um-bebe-de-cinco-meses/

Criminalidade - Homem de Vila Meã marcou encontro com mulher e foi agredido por um gangue, em Castelões, recezinhos, num local ermo, estando internado em estado grave no Hospital Padre Américo em Penafiel.

Cilada amorosa marcada no Facebook acaba no hospital

«Cilada amorosa marcada no Facebook acaba no hospital

Mantinha conversas amorosas, no Facebook, com uma pessoa que julgava ser verdadeira e que lhe prometeu amor e carinho. A mulher que nunca tinha visto e conhecia apenas na Internet marcou um encontro, num local ermo, em Castelões de Recezinhos, em Penafiel.

Em vez de encontrar o amor, apareceram-lhe quatro indivíduos que lhe roubaram 175 euros e que o espancaram ao ponto do homem, de 50 anos, ser sujeito a cirurgia facial e ficar internado.

Tudo aconteceu na noite de anteontem. O homem, residente em Vila Meã, Amarante, mantinha conversas através do chat do Facebook, com uma mulher que julgava ser sincera. Nas conversas, decidiram marcar um encontro, anteontem à noite, para deixar de ser um "namoro virtual" para passar a ser real. A "mulher" pediu ao amigo virtual que levasse dinheiro para lhe pagar o jantar.» in http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=4152366&page=-1

29/09/14

Amarante Fregim - O Ex.mo Sr. Padre Monteiro, deixou ontem a sua missão evangélica em Fregim, depois de 47 anos de dedicação a esta Freguesia de Amarante e que já foi da Ordem de Malta.



«Ex.mo Sr. Padre Monteiro

O Ex.mo Sr. Padre Monteiro, deixou ontem a sua missão evangélica em Fregim, depois de 47 anos de dedicação a esta Freguesia, de Amarante e que foi da Ordem de Malta. 

Quarenta e sete anos é uma vida e sim, ninguém consegue agradar a toda a gente e ser sempre consensual. Afinal nem o Próprio Cristo, o foi, quem somos nós afinal...

O Ex.mo Padre Monteiro, figura austera, frugal e dedicada plenamente às suas funções e missão clerical, também nunca quis ser consensual, mas o que conta é o balanço global da sua obra que penso ter sido positivo e, diga-se de passagem, quem sou eu para julgar alguém da dimensão do Ex.mo Sr. Padre Monteiro. 

Uma coisa é certa, o Ex.mo Sr. Padre Monteiro seguiu sempre a sua linha de ação estribada na sua mundividência e adaptou-se bem a uma Freguesia que, em grande parte do seu mandato episcopal, teve características de alguma ruralidade, que só há uns anos atrás foi perdendo.

Foi o Ex.mo Padre Monteiro que me consagrou a Primeira comunhão e a Comunhão Solene (que era o que havia naquele tempo), só por isso, aqui fica o meu respeito eterno. O baptismo não, pois fui batizado em Mancelos na Capela da Quinta da Aldeia, que à data ainda era pública.

Em nome da minha costela de Maltês, aqui fica a minha enorme gratidão, expressa em linhas humildes de quem não sabe escrever melhor, nem traduzir por palavras tudo o que pretendia dizer acerca de um verdadeiro Senhor e um verdadeiro Cavalheiro, no trato e convivência gerais.

Jesus Cristo e muitos católicos ao longo da história utilizaram a analogia do "pastor" que guia as suas ovelhas rumo ao melhor pasto (sentido Divino), que as acompanha, e que em última análise, arrisca a sua própria vida, o seu próprio bem estar por elas... ora, quarenta e sete anos é muito ano a apascentar, ovelhas boas e algumas tresmalhadas (é da natureza humana) e que marcam de forma indelével, a sua ação em nós, em toda a comunidade, na paróquia, num percurso intergeracional.

A minha Tia e Madrinha, Justina Timóteo de Barros, "Tininha" da Cidreira, foi uma catequista que desde nova acompanhou e colaborou com o processo de evangelização levado a cabo pelo Ex.mo Sr. Padre Monteiro, motivo que também contribuiu para eu ter acompanhado mais de perto, todo o trabalho que, juntamente com muitas outras pessoas, foram paulatinamente cimentando nesta nobre freguesia de Fregim.

Em suma,

Por tudo que vivenciou connosco, por tudo o que nos ensinou,

Bem Haja, Ex.mo Sr. Padre Monteiro.»


(Agosto de 1979, meninos da Comunhão Solene, junto à antiga residência paroquial de Fregim)

28/09/14

F.C. do Porto Sub-15 Futebol: F.C. do Porto 6 vs Dragon Force 0 - Dragões aplicam meia dúzia aos amigos do Dragon Force.



«SUB-15 GOLEIAM DRAGON FORCE

​Portistas mantêm o pleno de vitórias no Campeonato Nacional de Juniores C.

​A equipa Sub-15 do FC Porto recebeu e bateu este domingo o Dragon Force (6-0), em jogo da quinta jornada da primeira fase do Campeonato Nacional de Juniores C, no qual os jovens Dragões mantêm o pleno de triunfos e a respectiva liderança.

Num jogo muito especial em dia do 121.º aniversário do FC Porto, o conjunto comandado por Luís Gonçalves assumiu o controlo desde cedo e adiantou-se no marcador com um autogolo (8m). Leandro Campos (10m e 22m), Vasco Paciência (44m), João Mário (63m) e André Silva (68m) apontaram os restantes golos do folgado triunfo do FC Porto sobre o Dragon Force.

Os Sub-15 portistas alinharam com: Carlos Peixoto, Nuno Sualehe, João Serrão (cap.), Nuno Damas, Vasco Mesquita (Rúben Moura, ao intervalo, Marcelo Araújo (Paulo Moreira, 50m), João Mário, Romário Baró, Leandro Campos (Vasco Paciência, ao intervalo), Afonso Sousa (André Silva, ao intervalo) e Miguel Magalhães (Tiago Lopes, 50m).» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Sub-15-goleiam-Dragon-Force.aspx


Formação: Sub-15 - Campeonato Nacional (1.ª fase, 5.ª j.): FC Porto-Dragon Force, 6-0 (28/09/2014)

F.C. do Porto Andebol: Sporting da Horta 19 vs F.C. do Porto 27 - Dragões com terceira vitória consecutiva depois de vencerem nos Açores.



«HEXACAMPEÕES VENCEM NOS AÇORES

Sporting da Horta derrotado por 27-19.

​O FC Porto venceu, este sábado, o Sporting da Horta, por 27-19, em partida da terceira jornada do Andebol 1, disputada no Pavilhão Desportivo da Horta. Ao intervalo, os portistas já venciam por 14-8, num encontro em que o melhor marcador foi Yoel Cuni Morales (sete golos) e em que Hugo Laurentino e Gilberto Duarte também estiveram em destaque.

Os Dragões entraram a todo o gás na partida para poder levar de vencida uma equipa que, como dizia o central Miguel Martins na antevisão da partida, tem "uma defesa muito forte" e faz da rapidez uma das suas armas. Contando com um jogo colectivo de qualidade elevada e com um Ricardo Moreira inspirado na linha de sete metros (100% de eficácia em quatro tentativas), os comandados de Ljubomir Obradovic souberam superiorizar-se e garantir a terceira vitória consecutiva no Andebol 1.

Os hexcampeões alinharam e marcaram com: Hugo Laurentino (g.r.), Gilberto Duarte (5), Nuno Roque (1), Yoel Cuni Morales (7), Mick Schubert, Ricardo Moreira (6), Daymaro Salina (3). Jogaram ainda: Alfredo Quintana (g.r.), Edgar Landim (1), Miguel Martins, Nuno Gonçalves, Alexis Hernandez (2), Hugo Santos (1) e Wesley Freitas (1).» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Hexacampeoes-vencem-na-Horta.aspx

Desporto Ténis de Mesa - Portugal é campeão europeu de ténis de mesa em masculinos, a formação lusa, formada por Tiago Apolónia, Marcos Freitas e João Monteiro, derrotou na final a super favorita Alemanha por 3-1.

Marco Freitas

«Portugal é campeão europeu de ténis de mesa

No jogo decisivo, Marcos Freitas levou a melhor sobre Timo Boll por 3-1.

Portugal é campeão europeu de ténis de mesa em masculinos. A formação lusa, formada por Tiago Apolónia, Marcos Freitas e João Monteiro, derrotou na final a super favorita Alemanha por 3-1.

Num Pavilhão MEO Arena lotado, com o Primeiro-ministro Pedro Passos Coelho entre os presentes, Portugal superou o favoritismo da Alemanha para sagrar-se campeão europeu masculino pela primeira vez. O apoio do público foi essencial para este feito histórico no desporto português.

No primeiro jogo, Marcos Freitas bateu Stefen Mengal por 3-0, com um triplo 11-8. No segundo encontro, João Monteiro foi incapaz de suster o jogo de Timo Boll, perdendo por 3-0, com parciais de 11-7, 11-1 e 11-8.

Tiago Apolónia deu vantagem a Portugal, ao derrotar Dimitrij Ovtcharov por 3-1. O mesatenista português bateu o número cinco do mundo por 11-7, 11-2, 11-13 e 11-9.

No jogo decisivo, Marcos Freitas levou a melhor sobre Timo Boll por 3-1.

Momento histórico no MEO Arena, para delírio dos muitos milhares de espetadores.» in http://desporto.sapo.pt/mais_modalidades/artigo/2014/09/28/hist-rico-portugal-campe-europeia-de-t-nis-de-mesa


MOMENTO ARREPIANTE: TÉNIS DE MESA (CAMPEÃO EUROPEU PORTUGAL)

27/09/14

F.C. do Porto Sub 19 Futebol: F.C. do Porto 3 vs Paços de Ferreira 2 - Jovens Dragões até estiveram a perder, mas deram a volta ao jogo.



«SUB-19 BATEM PAÇOS DE FERREIRA

​Juniores estiveram a perder mas deram a volta para 3-2.

​A equipa de Sub-19 do FC Porto venceu este sábado o Paços de Ferreira por 3-2, em jogo a contar para a 8.ª jornada da zona Norte do campeonato nacional de Juniores A.

Leonardo abriu o marcador para o FC Porto, aos 23 minutos, mas um mau início de segunda parte permitiu que o Paços de Ferreira virasse o resultado, com golos aos 53 e 58 minutos.

Os juniores do FC Porto souberam reagir e Sérgio empatou aos 70 e Leonardo bisaria aos 83 minutos, golo que valeu a vitória.

Na próxima jornada, marcada para 4 de Outubro, o FC Porto desloca-se ao terreno do Varzim.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Sub-19-batem-Pa%C3%A7os-de-Ferreira.aspx

F.C. do Porto Basquetebol: Dragon Force 75 vs Oliveirense 67 - O Dragon Force venceu este sábado a Oliveirense, garantindo assim um lugar na final da Azeméis Basketball Cup, competição de pré-temporada que os azuis e brancos estão a disputar depois da vitória no Torneio Quadrangular Vila de Guifões.



«DRAGON FORCE BATE OLIVEIRENSE

​Triunfo por 75-67 valeu presença na final da Azeméis Basketball Cup.

​O Dragon Force venceu este sábado a Oliveirense (75-67), garantindo assim um lugar na final da Azeméis Basketball Cup, competição de pré-temporada que os azuis e brancos estão a disputar depois da vitória no Torneio Quadrangular Vila de Guifões.

Num jogo muito difícil frente a uma equipa que vai disputar a Liga Portuguesa de Basquetebol, os actuais campeões da Proliga entraram no quarto e derradeiro período em desvantagem (51-54), mas um parcial expressivo (24-13) nos últimos dez minutos garantiu uma presença na final, que se disputa este domingo (18h00), frente ao Vitória de Guimarães, no Pavilhão Dr. Salvador Machado, em Oliveira de Azeméis.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Dragon-Force-bate-Oliveirense.aspx

Religião - Frei Bento Domingues, frade dominicano, heterodoxo, espírito livre, 80 anos completados em agosto último, fala sobre tudo e interpela-se a si próprio.

Frei Bento Domingues: "Que mundo é este que queremos fazer?"

«Frei Bento Domingues: "Que mundo é este que queremos fazer?"

O Frade dominicano conta em entrevista à VISÃO que nunca se cansa de pregar:?"A única coisa que me importa é a insurreição"

Se a qualidade de uma entrevista se medisse pelas perguntas do jornalista, esta seria uma entrevista falhada. Da meia dúzia de questões que a VISÃO levava preparadas, duas, três no máximo, foram concretizadas. Frei Bento Domingues, frade dominicano, heterodoxo, espírito livre, 80 anos completados em agosto último, fala sobre tudo e interpela-se a si próprio. No momento em que a Temas e Debates publica mais um volume das suas crónicas dominicais no jornal Público (A Insurreição de Jesus, 512 págs., €19,90), a obra de frei Bento Domingues também é debatida na Fundação Gulbenkian (ver Homenagem na Gulbenkian). E ele, apesar de não ser vaidoso, vai lá estar. Não é de clausuras.

Sabe quem são os seus leitores?

Tenho uma ideia porque, de vez em quando, vou tendo alguns ecos. Há uma franja de gente que se diz católica não praticante, que se sente afastada, pessoas que sempre viram o fenómeno religioso de uma forma crítica, pessoas que, antes do 25 de Abril, trabalharam comigo na resistência ao antigo regime e, depois, também, pessoas que não têm nada a ver com a Igreja e que são até bastante anticlericais.

Os anticlericais são os desagradáveis...

Não, não são nada desagradáveis. E têm muitas razões para serem anticlericais.

Acha que os seus textos alguma vez contribuíram para a conversão de alguém?

A conversão é, na minha maneira de ver, o fruto da graça de Deus e do facto de as pessoas se deixarem abalar por essa graça.

E alguma vez ajudou alguém a reaproximar-se da fé?

Muita gente me diz isso. Mas essa questão prende-se com a história do século XX português. Durante a I República, houve disputas entre franciscanos e jesuítas, por causa da liberdade de voto no Partido Nacionalista, e instituiu-se, pela primeira vez em Portugal, uma espécie de laicidade lúcida que divide a prática social e política da sua expressão religiosa.

Que o Estado Novo tratou de contrariar.

Isso é muito importante para entender as dificuldades do catolicismo hoje. Os católicos, os próprios monárquicos católicos e os bispos achavam que Salazar era produto da providência divina. E mesmo que não estivessem totalmente de acordo, aderiram ao regime que deu espaço de liberdade à Igreja. Entretanto, todas as vozes católicas dissonantes (como a do padre Joaquim Alves Ferreira, que publicou o livro A Largueza do Reino de Deus, que, no fundo, era sobre a estreiteza da mentalidade católica oficial, ou a do padre Abel Varzim, responsável pela divulgação do pensamento católico no mundo operário) foram sendo afastadas. Nas eleições de 1958, perante o apoio de alguns católicos a Humberto Delgado e a célebre carta de D. António Ferreira Gomes, bispo do Porto, o episcopado preferiu continuar com Salazar.

E o que é que, em seu entender, isso ajuda a explicar?

Por um lado, há uma confusão entre o apoio a Salazar e o ser católico. Por outro lado, quando veio o 25 de Abril e os católicos, que tinham resistido ao regime, começaram a entrar na política, comete-se um erro: os católicos têm a dimensão da intervenção e a dimensão espiritual e teológica. Não defendo o partido confessional, sou absolutamente contra, militei, durante muitos anos, contra isso. Mas não faz sentido que os católicos que entraram na política não tenham tido uma instância que alimentasse a sua fé. A política comeu tudo. Além disso, também houve problemas internos, na Igreja, que têm, por exemplo, a ver com o facto de o Papa Paulo VI, na encíclica Humanae Vitae, ter feito referência aos métodos contracetivos.

Isso afastou as pessoas?

Para muitos jovens, para muitos casais, foi um verdadeiro balde de água fria. A partir daí, muitos católicos passaram a viver constrangidos, em duplo registo, outros afastaram-se. É como este problema de agora - aos divorciados que voltaram a casar-se é-lhes negado o acesso à eucaristia de uma forma, julgo, muito bárbara...

Não podem comungar...

A simbólica da missa é a simbólica da refeição. E, no fundo, estamos a dizer-lhes: vêm à refeição, mas não comem. O que acontece é que, depois, faz-se o catolicismo em autogestão ou à la carte, há um assunto com o qual estou de acordo, alinho, mas há outro assunto com o qual estou em desacordo, não alinho. Neste momento, assistimos a um alívio hesitante, pois as atitudes do atual Papa dão-nos outra respiração. O seu texto A Alegria do Evangelho grita esperança.

O mundo estava a precisar de um Papa popular?

Não é só de um Papa popular, é de alguém que veja o mundo a partir dos excluídos e, sobretudo, que não tenha uma atitude de exclusão. Além disso, o Papa Francisco também não está zangado com o mundo, respira alegria, tem vontade de unir as pessoas. ?E, mesmo assim, ainda é capaz de falar, como ainda agora falou, sobre a necessidade de fazer frente a esta onda de violência em nome de Deus, essas jihads todas.

Essa necessidade de ver o mundo a partir dos que mais precisam é cada vez mais atual?

Sempre foi. O poder sempre foi dos ricos, dos poderosos, dos impérios. Vale-nos a cintilação daqueles que, tanto no paganismo como no cristianismo, dizem "mas". Como quando, na descoberta do Mundo Novo, dos chamados países da América Latina, uma pequena comunidade de dominicanos escreveu um texto a denunciar o que estava a acontecer aos índios, em nome da exploração do ouro. Estes é que são os momentos evangélicos. Aqui é que reconhecemos que somos irmãos e filhos de Deus. Organizem a economia como quiserem, organizem as finanças como quiserem, organizem os hospitais como quiserem, mas não o façam segundo o princípio da exclusão.

Em alguns momentos da história, a Igreja Católica também excluiu...

Claro que sim. Dou um exemplo muito simples: entra-se numa igreja, numa missa de domingo e alguém fala para aquelas pessoas que não podem abrir a boca. O Papa Francisco já disse aos outros bispos e aos padres para não aborrecerem as pessoas, que mesmo na ordem moral há uma hierarquia de verdades, há umas coisas mais importantes que outras... E há uma certa forma de fazer que leva a que, depois, as pessoas digam "isto não resolve nada". As pessoas vão à eucaristia para receberem iluminação para a semana, para se fortalecerem, para se encontrarem umas com as outras, para participarem nesta coisa de ir mudando a nossa vida... Apesar de ser minhoto, eu gosto muito da filosofia alentejana...

Gosta de "ir sendo", como costuma dizer.

É isso, até porque esta coisa de realizar a nossa vida é um processo complicado.? O "normalzinho" é um bocado cinzento e, depois, há o sofrimento e todo esse mundo de violência com o qual é muito difícil lidarmos. Gosto muito de uma devoção que existe perto de Lamego, a Nossa Senhora do Alívio, pois penso que estamos no mundo para aliviar a dor dos outros. Além disso, também compete à Igreja ajudar as pessoas a regozijarem-se com a alegria, a reconhecerem aquilo em que se sentem felizes. E não andar a culpabilizá-las por razões de ordem sexual, por trapalhadas...

A não ser moralista?

Isso. E é a partir desta dupla atitude que a Igreja deve evangelizar. Formar os políticos, os financeiros e os investigadores de maneira a que estes se perguntem: estou a trabalhar na banca, mas, então, para que é que serve a banca? Estou a trabalhar numa empresa, quem é que serve esta empresa? As pessoas não só não se interrogam como são deterministas. Ora, a mensagem do Evangelho é antifatal, não temos que nos resignar com o mundo em que vivemos. E que mundo é este que queremos fazer? Nas minhas crónicas, a única coisa que me importa é esta insurreição: este mundo está mal construído e podia ser de outra maneira.

Nunca se cansa de pregar?

Não. Primeiro, nunca prego sozinho. E na celebração, ao domingo, é a miudagem que ocupa o altar.

E quando sente indiferença na audiência, não lhe apetece, digamos, ir pregar para outra freguesia?

Descobri o sentido da minha vida numa pregação de um padre brasileiro, amigo de meu tio. Eu vivia na religião do terror e, de repente, por causa dele, encontrei alegria na relação com Deus. Quando ele me perguntou o que é que eu queria ser quando fosse grande, a única resposta que veio de dentro foi: "Quero ser como você." Era um miúdo e, até hoje, acho que essa foi a coisa mais verdadeira que disse em toda a minha vida.» in http://visao.sapo.pt/frei-bento-domingues-que-mundo-e-este-que-queremos-fazer=f796475#ixzz3EX81zgDU


(Em Entrevista: Frei Bento Domingues - Teólogo Dominicano)


(Frei Bento Domingues)


(CELEBRAR A SUBVERSÃO)

Televisão - Revoltada, Marisa Cruz afirma que as notícias que têm surgido de que está a sofrer com a falência de um negócio e com o facto de não ter voltado a casar não correspondem à verdade.

Marisa Cruz

«Marisa Cruz revoltada

A apresentadora responde a notícias que considera "falsas".

Revoltada, Marisa Cruz afirma que as notícias que têm surgido de que está a sofrer com a falência de um negócio e com o facto de não ter voltado a casar não correspondem à verdade. A apresentadora usou as redes sociais para reagir, escrevendo o seguinte texto.

"Mais uma vez vejo a “minha” suposta vida exposta nas bancas. Na capa de uma revista, descubro hoje pormenores que supostamente dizem respeito à minha pessoa, mas talvez noutra encarnação, pois nada do que li corresponde à realidade.

Coincidência ou não, notícias negativas acerca da minha pessoa começaram a ser lançadas após ter-me desligado (por quebra de confiança) da pessoa que tratava da minha imagem a nível da comunicação, a mesma que difundiu a alguns jornalista a minha actual relação, ainda ela dava os primeiros passos, uma “fonte” que parece continuar a brotar. As fontes mencionadas correspondem a pura imaginação de quem escreve, visto não ser pessoa de grandes confidências e confiar plenamente nos poucos amigos com quem partilho a minha privacidade.

Ainda mais lamentável, é nunca ter sido ouvida directamente ou através da minha agência a respeito dos factos ultimamente publicados e que em nada correspondem à verdade. As fontes mencionadas correspondem a pura imaginação de quem escreve. Uma matéria completamente fora de tempo, mentirosa e sem propósito algum, que consegue ser capa por falta de uma notícia actual. Recordo a imaginação da mesma publicação que fez capa de um político que namorava com duas figuras públicas ao mesmo tempo…ups… Que grande bronca!

Convido quem esteja preocupado com o meu estado de espírito e “revolta” a assistir à programação da TVI aos domingos à tarde e a almoçar no M Louge, mas atenção, levem dinheiro pois não faço ofertas para comprar notícias positivas".» in http://tvmais.sapo.pt/tv/celebridades/2014/09/26/marisa-cruz-revoltada#ixzz3EX0tOZUF


(Marisa Cruz anuncio Maxmen)


(Marisa Cruz sexy em bikinis)


(Masterplan com apresentação de Marisa Cruz)

Primeira Liga - Sporting C. P. 1 vs F.C. do Porto 1 - Dragões empataram no terreno do Sporting mas poderiam ter dado “a volta” numa 2.ª parte com cinco ocasiões de golo.



«CLÁSSICO DÁ EMPATE

Dragões empataram (1-1) no terreno do Sporting e poderiam ter dado “a volta” numa 2.ª parte com cinco ocasiões de golo.

Graças a uma excelente segunda parte, em que dispôs de cinco ocasiões claras mas conseguiu apenas um golo, o FC Porto empatou no terreno do Sporting (1-1), em jogo da sexta jornada da Liga portuguesa. Tratou-se apenas de mais um clássico entre tantos outros em quase 121 anos de história do clube, que afinal de contas terminou com o resultado mais comum nas últimas épocas: nos últimos sete encontros no terreno dos lisboetas para a Liga, contam-se uma vitória do FC Porto, duas do Sporting e três empates.

As notícias das dificuldades dos Dragões no terreno do Sporting são assim algo exageradas, mas partem de um ponto de vista compreensível: a generalidade dos observadores exige que o FC Porto vença no campo dos adversários mais directos, enquanto que o mesmo não se passa em relação ao rival, que, em boa verdade, apenas conquistou dois campeonatos nacionais nos últimos 30 anos. Os azuis e brancos aceitam esta exigência de superioridade, mas também gostariam de contar com menos obstáculos para a atingir. Mais uma vez, num lance capital do encontro, em cima dos 90 minutos, o árbitro prejudica o FC Porto, perdoando uma grande penalidade ao Sporting e a expulsão do seu jogador Maurício. Mas já lá vamos.

A primeira parte foi muito difícil para o FC Porto, especialmente os primeiros 15 minutos. É sempre uma infelicidade sofrer um golo na madrugada do jogo, num lance em que o Sporting beneficia de uma arrancada feliz de Nani e do demérito dos Dragões, que perderam a bola a meio campo. Jonathan Silva abriu o marcador aos dois minutos - foi o primeiro golo sofrido em jogos oficiais num lance de bola corrida, esta época - e os lisboetas beneficiaram de mais dois lances perigosos no primeiro quarto de hora.

Com Marcano no lugar habitualmente ocupado pelo castigado Maicon no centro da defesa e Quaresma a regressar à titularidade na ala direita, os azuis e brancos foram-se recompondo com o passar dos minutos, terminando a primeira parte com mais posse de bola (53 por cento). Jackson lutou muito na frente e ainda introduziu a bola na baliza do Sporting, numa jogada em que estava fora de jogo, mas a dificuldade em ligar os lances ofensivos, face à pressão do adversário, foi notória.

No segundo tempo, Lopetegui fez entrar Óliver Torres e Tello, saindo Rúben Neves e Quaresma, mas, mais importante do que isso, houve uma postura mais assertiva. Trocando melhor a bola e pressionando os adversários com mais agressividade, o FC Porto poderia ter empatado logo aos 49 minutos, com Jackson, isolado por Brahimi, a atirar contra Rui Patrício. No entanto, os desequilíbrios surgiam com muito mais facilidade no meio-campo do Sporting - menos pressionante - e, sete minutos depois, chegou o empate. Tello descobriu Danilo solto na direita e o cruzamento do brasileiro encontrou Sarr, que desviou para a própria baliza, quando tentava fechar a linha de passe.

À passagem da hora de jogo, Casemiro lesionou-se e o treinador do FC Porto foi forçado a queimar a última substituição de que dispunha, lançando Reyes para o meio-campo defensivo. As duas equipas encaixaram-se como até então não tinha sucedido e o tempo foi-se escoando sem que nenhuma criasse perigo, até ao minuto 79, em que Capel rematou á trave.

Porém, as três últimas grandes oportunidades para desfazer o empate foram todas azuis e brancas: Herrera, aos 82 minutos, forçou Rui Patrício a uma espectacular defesa; aos 89, um calcanhar de Jackson foi interceptado pelo braço de Maurício, num lance que deveria ter dado origem a grande penalidade e expulsão do brasileiro; por último, Tello, já nos descontos, num lance individual, atirou a centímetros do poste da baliza do Sporting. Os três pontos poderiam perfeitamente ter viajado para o Porto.» in http://www.fcporto.pt/pt/futebol/fichas-de-jogo/Pages/Sporting-FC-Porto_2014-15.aspx 



2014.09.26 (20h30) - Sporting 1-1 FC Porto

26/09/14

Criminalidade - Foram detidos cinco homens fortemente indiciados pela prática de crime de roubo agravado a uma dependência bancária situada na Lixa - Felgueiras.



«Polícia Judiciária desmantelou grupo de assaltantes à mão armada

Foram detidos cinco homens fortemente indiciados pela prática de crime de roubo agravado a uma dependência bancária situada na Lixa - Felgueiras. 

A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Norte, identificou e deteve cinco homens integrantes de grupo criminoso que, ao início da tarde da passada quarta-feira, assaltou à mão armada uma dependência bancária na localidade da Lixa, no concelho de Felgueiras.

Diligências de imediato iniciadas permitiram identificar e deter, num primeiro momento, os quatro operacionais que concretizaram o crime e, posteriormente, também o seu autor moral e mentor do assalto. 

Este último é atualmente funcionário do banco lesado, estando colocado numa sucursal próxima, e tem uma relação familiar com um dos operacionais.

Foi possível localizar e apreender parte do produto do roubo, bem como a arma, viaturas e outros objetos utilizados.

Os detidos, com idades compreendidas entre os 24 de 35 anos de idade, um eletricista um vendedor, um canalizador, dois sem ocupação laboral e um bancário, vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.» in http://www.jornalaberto.com/index.php?option=com_content&task=view&id=2846&Itemid=1



 ««Bancário do BCP de Amarante ajuda a assaltar o BCP da Lixa» - Jornal de Notícias

«Um funcionário do Millennium-bcp de Amarante foi o mentor de um golpe que visava subtrair 100 mil euros ao próprio banco. A par de quatro operacionais, um dos quais seu primo, preparou um roubo à agência do BCP da Lixa, Felgueiras. Porém, a execução do plano correu mal e o grupo só logrou apoderar-se de cerca de mil euros», escreve o JN.» in http://www.abola.pt/mundos/ver.aspx?id=503001 




«Bancário chefia gang em assalto a banco

Funcionário do Millenium passou códigos secretos aos assaltantes para roubo armado.

Forneceu ao primo os códigos dos dispensadores de notas – máquinas onde o dinheiro está guardado no cofre dos bancos, dividido consoante o valor. O bancário indicou ainda a hora a que o assalto deveria ser realizado e como os quatro operacionais deveriam atuar no Millenium da Lixa, em Felgueiras. Mas o grupo – encapuzado e armado – não conseguiu chegar ao dispensador que continha as notas de valor mais elevado e fugiu com menos de 10 mil euros. 

Um dia depois do roubo, o gang foi detido pela Polícia Judiciária do Porto. Foi ontem levado ao tribunal para interrogatório. O bancário, de 35 anos e divorciado, exerce funções numa sucursal do Millenium na zona de Felgueiras e planeou ao pormenor o assalto da passada quarta- -feira à tarde, pouco antes do fecho da sucursal da Lixa. 

Combinou o crime com o primo, que ficou encarregue de arranjar mais três cúmplices para irromperem no banco. Os quatro operacionais usaram boné e óculos de sol, mas apenas um apontou uma arma ao funcionário que estava no balcão de atendimento a clientes no momento do assalto, ocorrido à luz do dia, às 15h30 de quarta-feira. 

O grupo foi detido anteontem, menos de 24 horas depois do assalto, pelos inspetores da Judiciária do Porto, que conseguiram recuperar algum dinheiro em casa dos elementos do grupo, todos eles residentes na zona de Lousada. Entre os operacionais do crime está um canalizador, um vendedor, um eletricista e um desempregado, todos eles com idades as rondar os 25 anos. 


O grupo utilizou um Renault Clio preto que pertence a um dos detidos. A viatura, tal como a arma usada, foram apreendidos pela PJ. Ontem os cinco arguidos detidos começaram a ser interrogados por um magistrado no Tribunal de Felgueiras.» in http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/portugal/detalhe/bancario_chefia_gang_em_assalto_a_banco.html

Geologia - Juntamente com Canal Caveira, Aljustrel, Neves Corvo e São Domingos, a mina de pirite do Lousal, em Grândola, fez parte da chamada Faixa Piritosa Ibérica, uma área geográfica cuja exploração mineira data da época dos romanos.

Recuperação das minas de Lousal dá nova vida à economia de Grândola (com VÍDEOS)

«Recuperação das minas de Lousal dá nova vida à economia de Grândola
Publicado em 26 de Setembro de 2014.

Juntamente com Canal Caveira, Aljustrel, Neves Corvo e São Domingos, a mina de pirite do Lousal, em Grândola, fez parte da chamada Faixa Piritosa Ibérica, uma área geográfica cuja exploração mineira data da época dos romanos.

A mina do Lousal funcionou desde o final do século XIX até 1988, data em que foi encerrada definitivamente, levando à decadência da aldeia vizinha. Anos mais tarde, a Câmara Municipal de Grândola e a Fundação Frédéric Velge iniciam um projecto de revitalização do Lousal – chamado ReLousal, um programa turístico, cultural e de preservação ambiental que pretende reforçar a identidade mineira.

Um dos objectivos é aproveitar a mina do Lousal como centro de turismo e ciência da natureza. “Houve uma primeira fase de intervenção que teve um investimento total de €4,7 milhões, que recuperou ambientalmente este espaço, para não perder a memória e identidade mineira que este espaço sempre teve”, explicou ao Economia Verde Jorge Relvas, presidente do Centro de Ciência Viva Lousal.

“Neste momento está a decorrer uma segunda fase do projecto, no valor de €2,5 milhões”, continuou.

Por razões de segurança, o interior da mina está encerrado ao público, mas o projecto tem um programa de €400 mil, já aprovado, para garantir que todos os interessados a irão, em breve, poder visitar.

O ReLousal tem dois polos essenciais, o Centro de Ciência Viva e o Museu Mineiro, e é aqui que a maior parte dos turistas tem passado o tempo. E foram muitos desde 2010, cerca de 45 mil. Ao seu lado foram crescendo outros negócios: um restaurante, um hotel rural e lojas de artesenato.

Por todo o País, dezenas de minas continuam abandonadas e sem projectos de recuperação conhecidos – a reabilitação da aldeia mineira do Lousal é a prova de que a dinamização económica destes locais não é um bicho de sete cabeças.

Foto: Gustavo Veríssimo / Creative Commons» in http://greensavers.sapo.pt/2014/09/26/recuperacao-das-minas-de-lousal-da-nova-vida-a-economia-de-grandola-com-videos/


(Recuperação das ilhas do Lousal em Grândola)

Arte Literatura - A Serra da Gardunha, no concelho do Fundão (distrito de Castelo Branco), é também conhecida por Guardunha, palavra árabe que significa "refúgio", refúgio que para os de Idanha e refúgio para os que subirem ao Fundão para ouvir falar de literatura de viagem no Festival Literário da Gardunha, primeira edição, que ali decorre durante este fim de semana.

Castelo Novo

«Vamos experimentar a serra, que protege o povo e a literatura com as suas fragas e penhascos

Aviso: o arranque deste texto é inesperado - exige perseverança, é imprevisível e providencia acontecimentos que acabam num festival literário com mais de 30 escritores a partilharem as suas viagens.

Diz a lenda que há muitos anos, em Idanha-a-Velha, vivia um homem viúvo muito rico, com a mulher e uma filha do primeiro casamento. As duas não se davam e vai na volta pegavam-se. Certo dia, depois de a madrasta ter batido no cão da menina com um pau, esta decide fugir de casa. Agarra em algumas fatias de pão, queijo e chouriço, põe um xaile aos ombros e chama o cão, e juntos saem de casa em direção a uma serra que parece o lugar ideal para se abrigarem. Chegados ao cimo, a menina repara nuns grandes penedos onde há uma gruta onde os dois podem ficar.

De manhã, a menina é acordada por uma senhora vestida de branco - "Eu sou a Nossa Senhora!" - que sorri e lhe diz que desça imediatamente à povoação e diga ao seu pai e a todos os de Idanha para abandonarem as suas casas e subirem à serra, que os mouros estão a chegar. O pai desconfia, o povo acredita, e em pouco tempo rumam à serra. Do alto veem os mouros chegar, entrar nas suas casas e ninguém encontrar. Procuram os de Idanha, batem-se contra eles, saem derrotados, porque a serra, com as suas fragas e penhascos, protege o povo. Depois deste episódio, começou a chamar-se à serra "Gardunha", que significa: "Guardou os de Idanha".

A Serra da Gardunha, no concelho do Fundão (distrito de Castelo Branco), é também conhecida por Guardunha, palavra árabe que significa "refúgio". Refúgio para os de Idanha e refúgio para os que subirem ao Fundão para ouvir falar de literatura de viagem no Festival Literário da Gardunha, primeira edição, que ali decorre durante este fim de semana.

Hélia Correia, Teolinda Gersão, Luandino Vieira, Miguel Real, Carlos Vaz Marques, Fernando Alvim, José Mário Silva, Pedro Mexia são alguns dos nomes confirmados para este festival. Vão falar sobre as suas viagens literárias. Primeiro no Auditório da Moagem (cidade do Fundão), e depois em Alpedrinha e depois em Castelo Novo, lugares que a literatura entretanto imortalizou (Saramago um dia escreveu: "Castelo Novo é uma das mais comovedoras lembranças do viajante"), num movimento que faz jus ao tema do festival, e tem como cenário a Serra da Gardunha.

Além da participação dos escritores Alexandra Lucas e Coelho e Tiago Salazar, e do fotógrafo Pedro Loureiro, que estão desde segunda-feira passada em residência artística em vários locais do Fundão, o festival recebe ainda Cristina Branco e João Paulo Esteves da Silva para um concerto esta sexta-feira.

A iniciativa é promovida pela Câmara Municipal do Fundão em parceria com a A23 Edições e a Grande Turismo.

A pedido do Expresso, e porque o grande tema do festival é a viagem, Catarina Nunes de Almeida, autora de livros de poesia e vencedora, em 2006, do Prémio Internacional de Poesia Castello di Duino, partilha cinco itinerários especiais: Praça da Alegria - Castelo de São Jorge, Serra de Sintra - Serra do Açor, Ocidente - Oriente, e o itinerário que se faz dum poema a outro poema, e do "Lugar Filha" ao "Lugar Mãe". O texto pode ser lido aqui.» in http://expresso.sapo.pt/vamos-experimentar-a-serra-que-protege-o-povo-e-a-literatura-com-as-suas-fragas-e-penhascos=f890849#ixzz3EQ2qFJe6


(IDANHA A VELHA - ALDEIA HISTÓRICA)


(Idanha-a-Velha - a Egitânia doutrora)


(IDANHA-A-VELHA)

25/09/14

Amarante Restauração - A Rota das Estrelas, “único festival gastronómico em Portugal que reúne chefes com estrelas Michelin”, chega a Amarante a 24 e 25 de Outubro, ao restaurante do Largo do Paço da Casa da Calçada Relais & Châteaux, liderado pelo chef Vítor Matos, que este ano reúne sete chefs com estrelas Michelin.



«Amarante tem Rota das Estrelas nos dias 24 e 25 de Outubro
Presstur 25-09-2014 (15h56) 

A Rota das Estrelas, “único festival gastronómico em Portugal que reúne chefes com estrelas Michelin”, chega a Amarante a 24 e 25 de Outubro, ao restaurante do Largo do Paço da Casa da Calçada Relais & Châteaux, liderado pelo chef Vítor Matos, que este ano reúne sete chefs com estrelas Michelin.

O evento terá a duração de dois dias e conta com a participação, além de Vítor Matos, de Hans Neuner, do Vila Vita Parc, 2-estrelas Michelin, Jean-Luc Rocha, do Château Cordeillan Bages, França, também 2-estrelas, Joachim Koerper, do Eleven, 1 estrela, João Rodrigues, do Feitoria, 1 estrela, Miguel Laffan, do L'AND, 1 estrela, e Ricardo Costa do The Yeatman, uma estrela.

Participam ainda na iniciativa os chefs Luís Américo, do restaurante macaense Fado, Leonel Pereira, do São Gabriel, Sandro Meireles, da Escola de Formação Turística e Hoteleira dos Açores, Paulo Morais, do Everything About Sushi, e Albano Lourenço, do Quinta das Lágrimas, bem como o subchefe André Silva, do anfitrião Largo do Paço.

No dia 24, no Largo do Paço, será servido um menu de degustação para 50 participantes com “paladares, texturas e combinações surpreendentes”, indica o restaurante em comunicado.

No dia seguinte, seis equipas de cozinha acompanhados de 30 produtores de vinho vão fazer uma sessão de “Live Star Cooking” no Salão do Jardim da Casa da Calçada, contando ainda com degustação de gins e música ao vivo por DJ’s convidados. 

O menu de degustação de dia 24 tem o preço de 175 euros por pessoa, enquanto para o “Live Star Cooking” do dia 25 o preço é de 75 euros por pessoa.

A Casa da Calçada, Relais & Châteaux recupera um palácio do séc. XVI, construído para ser um dos principais palácios do Conde de Redondo.

“Recuperada em 2011 a propriedade já é um dos hotéis mais emblemáticos e simbólicos da hospitalidade portuguesa, tendo-se tornado, em Novembro de 2013, membro da conceituada cadeia dos Relais & Châteaux”, indica uma informação da rede hoteleira, que salienta também que a recuperação “preservou o estilo barroco original, mantendo os elementos neoclássicos”. 

“A decoração de estilo romântico transmite, através da mobília, tecidos e detalhes decorativos, um ambiente de casa de família, onde os hóspedes voltam ao passado, tirando proveito da tranquilidade acolhedora dos vários recantos”, acrescenta a informação.» in http://www.presstur.com/site/news.asp?news=48458



(Amarante Rota das Estrelas Michelin)


(Rota das Estrelas 2011)


(Rota das Estrelas na Casa da Calçada em Amarante)

Religião - São Torcato natural de Toledo, descendia da nobre família romana denominada Torquatus romanus.



«História de São Torcato

S. Torcato natural de Toledo, descendia da nobre família romana denominada Torquatus romanus. Durante toda a sua juventude, foi marcado pelas suas virtudes, que continuaram mesmo depois de exercer as funções de Arcipreste na Sé de Toledo. Isto levou a um enorme reconhecimento por parte da Igreja que o aclamou Bispo de Iria Flávia, na actual Galiza. No XVI Concílio de Toledo, em 693, demonstrou eloquência e firmeza de fé, pelo que foi aclamado arcebispo de Braga e pouco tempo depois do Porto e de Dume. 

Refere a história que em 711 os muçulmanos entram a sul da península ibérica, Muça, que era o general enviado de Tarik para conquistar toda esta região e espalhar o culto a Alá e Maomé, encontrou a resistência do arcebispo Torcato que disposto a lutar e a defender as suas crenças, enfrentou com os seus companheiros o exercito enraivecido de Muça.

O arcebispo fez um discurso, após o qual Muça desembainha a espada e desfecha com um golpe fatal Torcato fazendo o mesmo aos companheiros. Segundo a lenda tudo aconteceu a 26 de Fevereiro de 719 ou de 715. De acordo com a mesma lenda, o seu corpo foi encontrado íntegro num bosque, no meio das silvas e de um monte de pedras de onde brotou uma fonte caudalosa que ainda hoje se conserva, conhecida como Fonte de São Torcato (Fonte do Santo) de conhecidas águas medicinais. 

De acordo com Armindo Cachada (JN, 16/05/03), assim relatou uma devota sobre a descoberta do corpo do santo “Não sabiam que era ele… Só quando um homem deu uma sacolada na cara do santo – ainda tem a marca – é que se ouviu uma voz: “Cuidado que está aqui Torcato». Retiraram o corpo, mas não havia água para o lavar. Brotou, então, milagrosamente, uma fonte, que ainda hoje jorra abundantemente.”

No local foi construída uma capelinha em honra do santo, que se encontra hoje sepultado em câmara de vidro, no Santuário de São Torcato. 

Igualmente nos dias de hoje, S. Torcato é venerado como o Padroeiro da dor de cabeça e, por isso, os devotos põe o chapéu do Santo na cabeça.

À terra que seria de Santa Maria, por ter um mosteiro dedicado a Santa Maria, passou então a denominar-se de S. Torcato. Segundo os manuscritos, esta referência aparece no testamento de Mumadona Dias. 

A 20 de Junho de 1049, o couto de S. Torcato foi dado ao Mosteiro de Mumadona, então conhecido pelo Mosteiro de Guimarães, pelo Rei D. Fernando e pela sua esposa a Rainha D. Sancha. Em 1173, o Mosteiro de S. Torcato foi desanexado da Colegiada e nesse mesmo ano em Abril, o Rei D. Afonso Henriques dou carta de couto ao prior de S. Torcato, D. Paio. 

O Papa Inocêncio V, a 15 de Maio de 1276, conferiu por Bula o Mosteiro de S. Torcato sobe a regra de Sto. Agostinho. Esta Bula permitiu saber nos dias de hoje, que o mosteiro possuía a Igreja de Sto. Emilião de Riba D´Ave e terras dos bispados de Braga, Porto, Lamego e Viseu.

Sabe-se ainda, através de uma carta passada pelo rei D. Afonso IV, que o Couto de S. Torcato foi judiciado em 1836 ao Mosteiro de S. Torcato. A localidade foi elevada à categoria de Vila em 21 de Junho de 1995.» in http://www.jf-storcato.com/s/15   



«Vida e Obra de São Torcato

5. El-Rei D. Manuel pela sua grande piedade procurou no seu tempo que se recolhessem às Cidades e Vias insignes os corpos dos Santos que se achavam pelas aldeias do Reino, e querendo que o de S. Torcato se tirasse do sítio em que está, escreveu ao Cabido de Guimarães uma Carta, que se conserva no seu Arquivo, cuja cópia é a seguinte: Cónegos da Igreja de Guimarães, eu El-Rei vos envio muito saudar. Fazemos-vos saber que Nós havemos por bem,que o corpo do Bem-Aventurado S. Torcato seja trasladado à Igreja Colegiada da dita Vila, em lugar onde ao Prior parecer bem, o qual levará o Breve, para se a dita trasladação fazer, e por tanto havemos por escusadas as despesas, que se haviam de fazer, onde até ora jouve. E porém nós mandamos, que deis ordem como se logo assim faça. Feita em Lisboa a 28 de Fevereiro de 1501. Querendo o Reverendo Cabido de Guimarães dar satisfação à ordem de El-Rei, assentou o dia da trasladação; porém não teve efeito, porquanto os moradores da Freguesia te puseram em armas, e com tão valente resolução, que julgaram conveniente, o não prosseguirem com o intento. Este teve também Ilustríssimo Arcebispo de Braga de o trazer para a Catedral, e indo para este efeito à freguesia no ano de 1597, tocaram o fino a rebate, e se ajuntou tanto povo para impedir ao Arcebispo, que lhe foi preciso desistir da empresa. Escreve-se que perguntando ele a uma mulher que estava entre outras pela roca ela lhe respondera: Senhor, estas são as massarocas (mostrando-lhe umas poucas de pedras, que levava) para quem nos quiser roubar o nosso Santo. Dele escreve D. Rodrigo da Cunha na História de Braga, e Jorge Cardoso no Agiol. Lusitano para honra, e glória de Deus, que seja eternamente louvado em seus Santos.


Boaventura Maciel Aranha, Cuidados da morte e descuidos da vida, Oficina de Francisco Borges de Sousa, Lisboa, 1761, tomo I, pp. 244-246.» in http://araduca.blogspot.pt/2013/05/vida-morte-e-milagres-de-s-torcato-3.html


(São Torcato - Guimarães)
Pin It button on image hover