31/05/14

F.C. do Porto Hóquei Patins: Valongo 5 vs F.C. do Porto Fidelidade 3 - O FC Porto Fidelidade perdeu este sábado no rinque do Valongo, deixando assim fugir a hipótese de se sagrar campeão nacional, na 30.ª e última jornada.



«TÍTULO NACIONAL FICOU EM VALONGO
31-05-2014

​O FC Porto Fidelidade perdeu este sábado no rinque do Valongo, por 5-3, deixando assim fugir a hipótese de se sagrar campeão nacional, na 30.ª e última jornada. Bastava um empate para assegurar o título, mas, com este triunfo, foi a equipa da casa a sagrar-se campeã pela primeira vez, enquanto os azuis e brancos terminaram no terceiro posto, ainda atrás do Benfica

​Num pavilhão a rebentar pelas costuras e com um calor intenso, disputou-se um jogo espectacular, cheio de reviravoltas no marcador. O FC Porto chegou a estar na frente na primeira parte e Caio (autor de um “hat-trick”) estabeleceu o empate a três a 15 minutos do fim, mas esse resultado – que interessava aos Dragões – foi desfeito nos últimos sete minutos.

O FC Porto entrou melhor, obrigando o guarda-redes Ângelo Girão a duas intervenções apertadas, a remates de Reinaldo Ventura e Pedro Moreira. No entanto, o defesa-médio viu o cartão azul aos cinco minutos, dando ao Valongo um livre directo em que Rafa não conseguiu ultrapassar Edo Bosch. Porém, os locais aproveitaram a situação de “power play” para inaugurar o marcador, numa recarga de Nuno Araújo, aos seis minutos.

Os Dragões não se deixaram afectar e mantiveram o plano de jogo, apostando mais no contra-ataque do que é habitual, já que o Valongo assumia muitas vezes a iniciativa. Eram os portistas que rematavam com mais perigo e Ângelo Girão foi evitando o empate, até aos 16 minutos, quando Caio rematou de meia distância para o 1-1. A reviravolta ficou completa três minutos depois, quando o mesmo jogador converteu uma grande penalidade cometida por Nuno Rodrigues.

Era o FC Porto quem criava mais perigo nos últimos minutos da primeira parte, mas o valonguense Rafa, de meia distância, restabeleceu o empate (2-2). Após o intervalo, os portistas voltaram a ser dominadores (Reinaldo Ventura chegou a acertar na trave), mas repetiu-se a história: Rafa marcou aos 34 minutos e o Valongo voltava a estar em vantagem no campeonato. O 3-2 durou apenas dois minutos, pois Caio aproveitou uma bola perdida à entrada da área de grande penalidade para completar o “hat-trick” e fazer o 3-3.

Adivinhavam-se 15 minutos finais intensos e o golo era possível em ambas as áreas. O FC Porto apenas precisava de manter a baliza inviolada, mas acabou por ser o Valongo a fazer o 4-3, por Telmo Pinto, num lance estranhíssimo, em que a bola sobe muito na grande área portista, aos 43 minutos. No mesmo minuto, Nuno Rodrigues viu o cartão azul, mas André Girão defendeu o remate de Hélder Nunes, que fez ainda falta para novo azul. Do outro lado, Telmo Pinto também não foi capaz de desfeitear Edo Bosch. A décima falta portista estava próxima e adivinhava-se novo lance de bola parada, que chegou a cinco minutos do fim, só que Reinaldo não foi capaz de bater Ângelo Girão.

Com 4-3 no marcador, o FC Porto arriscou tudo, e Barreiros e Caio estiveram próximo de novo empate. Já nos dois últimos minutos, Edo Bosch não permitiu o Nuno Rodrigues o 5-3, num livre directo, mas Caio viu o cartão azul a pouco mais de 30 segundos do fim, dificultando o último fôlego. Já sem guarda-redes na baliza para tentar o empate, Rafa roubou a bola ao último defesa azul e branco e disparou para a baliza deserta, decidindo o jogo e o campeonato.

Os azuis e brancos pagaram alguma irregularidade que acusaram ao longo da prova, pois se tivessem trazido pontos dos terrenos de adversários frágeis como Cambra e Sporting chegariam a Valongo já com o título no bolso. No próximo fim-de-semana, o FC Porto terá nova hipótese de conquistar um título, com a disputa da Taça de Portugal, em Turquel.

FICHA DE JOGO

Valongo-FC Porto Fidelidade, 5-3
Campeonato nacional, 30.ª jornada
31 de Maio de 2014
Pavilhão Gimnodesportivo de Valongo
Árbitros: Miguel Guilherme e Luís Peixoto (Lisboa)

VALONGO: Ângelo Girão (g.r.), Nuno Araújo, Telmo Pinto, Rafa e João SOuto
Jogaram ainda: Hugo Azevedo, Miguel Viterbo, Nuno Rodrigues e Henrique Magalhães
Treinador: Paulo Pereira

FC PORTO: Edo Bosch (g.r.), Pedro Moreira, Reinaldo Ventura, Ricardo Barreiros e Jorge Silva
Jogaram ainda: Hélder Nunes, Caio e Vítor Hugo 
Treinador: Tó Neves

Ao intervalo: 2-2
Marcadores: Nuno Araújo (6m), Caio (16m, 19m e 36m), Rafa (25m e 34m e 50m) e Telmo Pinto (43m)

Disciplina: cartão azul a Pedro Moreira (5m), Nuno Rodrigues (20 e 43m), Hélder Nunes (43m) e Caio (50m).» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Valongo-FC-Porto-Fidelidade-Campeonato-nacional-2013-2014.aspx

Saúde - Os cigarros electrónicos são apresentados como alternativas saudáveis aos cigarros convencionais, contudo, estes dispositivos electrónicos podem não ser tão saudáveis quanto se pensa, um novo estudo revela que os cigarros electrónicos podem tornar as bactérias mais resistentes e mortais.

Cigarros electrónicos ajudam bactérias a proliferar

«Cigarros electrónicos ajudam bactérias a proliferar
Publicado em 31 de Maio de 2014.



De acordo com o estudo, o vapor dos cigarros electrónicos torna o Staphylococcus Aureus Resistente à Meticilina (MRSA, na sigla inglesa) mais resistente aos antibióticos e mais tóxica. Adicionalmente, o vapor de nicotina enfraquece ainda a capacidade do corpo para combater as bactérias multirresistentes aos antibióticos.

“Apesar de a nossa resposta não poder ser preto no branco, em relação aos benefícios dos cigarros electrónicos, o nosso estudo sugere uma resposta: mesmo que os cigarros electrónicos não sejam tão maus quanto o tabaco, possuem efeitos prejudiciais mensuráveis sobre a saúde”, afirma Laura Crotty Alexander, investigadora que participou no estudo, cita o Daily Mail.

Estes dispositivos electrónicos são vistos como uma alternativa mais segura uma vez que não possuem tabaco nem os componentes químicos nefastos dos cigarros tradicionais. A composição destes cigarros é à base de nicotina e vapor de água. Os cigarros electrónicos têm-se tornado populares entre os fumadores que estão a tentar deixar de fumar mas sentem falta dos componentes activos da nicotina e do hábito de acender um cigarro.

Existe também o receio de que estes dispositivos se tornem atractivos entre a população mais jovem e de que os aromatizantes utilizados atraiam as crianças.

Durante o estudo, cientistas norte-americanos analisaram o que acontece quando a bactéria MRSA é exposta ao vapor dos cigarros electrónicos. Os testes foram feitos em recipientes laboratoriais, mas a exposição acontece na vida real, uma vez que a MRSA costuma alojar-se no nariz e garganta, pronta para atacar no caso de doença, quando as defesas imunitárias estão mais fracas.» in http://greensavers.sapo.pt/2014/05/31/cigarros-electronicos-ajudam-bacterias-a-proliferar/


(A verdade sobre os cigarros eletrônicos)

Amarante Câmara Municipal de Amarante - A Câmara de Amarante reforçou as verbas atribuídas às juntas de freguesia do concelho para corrigir “desigualdades”, disse ao Tâmegasousa.pt José Luís Gaspar, presidente da autarquia amarantina.



«Câmara de Amarante reforça verbas às juntas para corrigir “desigualdades”
Publicado em Maio 30, 2014 por Sandra Teixeira em Autarquias, Destaque.

Câmara de Amarante reforça verbas às juntas para corrigir “desigualdades”.

Por ano a autarquia amarantina disponibiliza mais de um milhão de euros, distribuídos pelas 26 freguesias que compõem o concelho. Nos quatro anos de mandato vão ser atribuídos 4,5 milhões de euros

A Câmara de Amarante reforçou as verbas atribuídas às juntas de freguesia do concelho para corrigir “desigualdades”, disse ao Tâmegasousa.pt José Luís Gaspar, presidente da autarquia amarantina.

“Houve um reforço de verbas, porque tentámos corrigir, segundo a indicação de alguns presidentes de junta, algumas desigualdades”, explicou o edil, acrescentando: “entendemos, com base nos quilómetros dos caminhos municipais, encontrar um valor indicativo por quilómetro para a limpeza”.

As verbas destinam-se à manutenção, limpeza das estradas, pequenas reparações nas escolas e gestão das feiras e mercados.

Por ano a autarquia amarantina disponibiliza mais de um milhão de euros, distribuídos pelas 26 freguesias que compõem o concelho. Nos quatro anos de mandato vão ser atribuídos 4,5 milhões de euros.

A Câmara de Amarante pretende iniciar um trabalho de monitorização dos quilómetros que vão estar sujeitos a limpeza, por forma a ajustar ainda mais os valores atribuídos.

“Tem de haver equidade no tratamento e, portanto, acho que é de elementar justiça monitorizar esse trabalho”, vincou o autarca amarantino.

A par da monitorização, a autarquia vai disponibilizar equipas de limpeza dos serviços do município que vão estar ao dispor das freguesias e uma equipa técnica para ajudar no planeamento e dúvidas das juntas.

“O que combinei com as juntas, e o que iremos a fazer a partir de agora, é começar a fazer um planeamento das obras mais emblemáticas para o seu mandato, para que o presidente da junta faça uma melhor gestão financeira daquilo que pretende”, referiu José Luís Gaspar.

Para dar ainda mais apoio às juntas e aos seus presidentes, a Câmara de Amarante tem prevista a criação de um gabinete de apoio, que será constituído por um engenheiro responsável pela programação de pequenas reparações, uma pessoa ligada à área da manutenção e limpezas e um arquiteto.

“A partir do momento que as águas de Amarante sejam concessionadas às Águas do Noroeste vamos ficar com 58 pessoas disponíveis. Algumas poderão integrar aquela empresa, mas outras vão permanecer ao serviço da câmara e nessa altura teremos capacidade de alocar algumas dessas pessoas em diferentes áreas e uma delas será no apoio às juntas de freguesia”, salientou o edil.

José Luís Gaspar pretende que a Câmara de Amarante seja parceira das juntas de freguesia e, por isso, tem também um projeto de proximidade de serviços para as populações.

“Estamos a trabalhar numa plataforma, um balcão único, e também queremos disponibilizar para as juntas de freguesia a possibilidade de haver atendimento nas juntas, ou seja, descentralizar os serviços”, avançou o autarca.

“É um projeto que pretendemos que esteja a funcionar na câmara até final do ano e nas juntas no início de 2015”, sublinhou José Luís Gaspar.» in http://www.tamegasousa.pt/camara-de-amarante-reforca-verbas-juntas-para-corrigir-desigualdades-caudio/

Amarante Fregim - A Primavera, apesar de chuvosa, continua a surpreender-nos todos os dias, no Lugar do Rio.

DSC03178


(As flores aparecem todos os dias com mais vigor e beleza, em Rio, Fregim, Amarante)

Amarante Vitivinicultura – O vinho “Quinta da Levada”, produzido na freguesia de Aboadela, arrecadou, mais uma vez, a Medalha de Ouro no concurso “Os Melhores Verdes de 2014” promovido pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV)




«“Quinta da Levada” conquista Medalha de Ouro

AMARANTE – O vinho “Quinta da Levada”, produzido na freguesia de Aboadela, arrecadou, mais uma vez, a Medalha de Ouro no concurso “Os Melhores Verdes de 2014” promovido pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV).

Feito a partir da casta azal, o “Quinta da Levada” tem vindo a impor-se no mercado e a conquistar distinções várias junto de enólogos e outros especialistas. Não obstante, José Mendes, diz ter recebido este prémio com “um grande prazer, pois vimos mais uma vez ser reconhecida a qualidade do nosso vinho. Isso prestigia-o e ajuda-nos na sua comercialização, já que consegue mais reconhecimento e notoriedade no mercado”.

E continuou: “Este reconhecimento é tanto maior, quando estamos junto de grandes marcas, como o Alvarinho. É para nós muito grato conseguir impor uma marca de Amarante no circulo restrito das grandes marcas, que têm não só uma posição muito grande no mercado nacional, mas também no mercado de exportação, como os vinhos da Quinta da Aveleda ou o Alvarinho. Comparativamente, a nossa produção é muito menor, mas temos vindo a conquistar espaço pela qualidade”, frisou.

André Costa Magalhães, Vereador com o pelouro do Empreendedorismo, vê na obtenção desta medalha “um importante reconhecimento da qualidade do vinho verde que é produzido no concelho e acima de tudo da visão estratégica e empreendedora dos nossos empresários. Amarante goza de uma notoriedade de há muitos anos de ser uma terra com ótimas condições para a produção de vinho verde de excelência, é por isso importante termos casos de sucesso como este que sirvam de referência para todo o setor de forma a beneficiarmos economicamente desse estatuto alcançado”.

Para o produtor e proprietário da Quinta, os objetivos para o futuro passam por “manter a produção, uma vez que esta não é a nossa principal atividade e eu não tenho possibilidade de disponibilizar mais tempo para este setor. É mais por prazer do que verdadeiramente a pensar comercialmente no negócio do vinho que tenho a quinta”.

José Mendes entende que o que distingue este vinho dos outros que estão no mercado é: “desde que fiz a plantação da vinha procurei ter um tipo de vinho desde logo um pouco distinto, face àquilo que se utilizava na nossa região. Procurei ter um vinho parecido com os Alvarinhos, com castas não tão típicas do vinho verde da nossa região. Sempre um vinho mais macio, com um aroma bastante agradável, fruto de uma casta de pequena quantidade que temos cá que é o avesso, juntamente com uma pequena quantidade da casta pedernã, que faz deste vinho diferente face aos outros vinhos que se produzem na nossa região”.

A Quinta da Levada começou a sua produção no ano de 2002 e hoje ocupa quatro hectares de vinha em que a principal casta é o azal. Tem uma produção de cerca de 45 mil garrafas, o que em pipas se traduz mais ou menos em 70 pipas de vinho.

Em função da sua produção, que não é muito grande, a empresa exporta no total cerca de 18 mil garrafas para a Alemanha, Suíça, Bélgica e França.

O proprietário da quinta já recebeu quatro prémios, entre Medalhas de Ouro e Medalhas de Prata. Para além destes Prémios, em 2010 a empresa obteve o Prémio “Best Of”, que é uma distinção entre os cinco melhores vinhos verdes Nacionais.

Em 2013 o “Quinta da Levada” foi selecionada nos 50 melhores vinhos portugueses no Brasil, em que aparece em segundo lugar.» in http://local.pt/portugal/norte/quinta-da-levada-conquista-medalha-de-ouro/

30/05/14

Poesia - O Meu Amigo e poeta, Manuel Ângelo Ochôa interpela-nos com o Poema: "O de Assis pai"



"O de Assis pai:
Doirado sonho o move a novo dia.
Pobre se torna o que é,
no Deus mantido.
A natureza ama,
que o conforta como a irmão.
Arrastando-se nu, por cru desterro louva.
António destaca
para tratar da Arca o Bom Saber.
Seu desígnio é dar, nada ter, esperar.
Morte amiga o conhece, exalta, abraça;
à flor do humo subido outro Cristo."

Manuel Ângelo Ochôa, Poeta


"O DE ASSIS PAI", Manuel Ângelo Ochôa

Amarante Museu Paroquial de Arte Sacra Dr. Luís Coutinho - O espólio doado ao Museu de Arte Sacra de Amarante pertencia a Luís Coutinho, falecido há 12 anos, hoje representado na cerimónia pela mãe, Luísa Coutinho.








(Fotografias, Eng. José Cunha) 


«Família de Amarante doou centenas de peças de arte sacra a museu da cidade 


Acervo é formado por peças de arte religiosa, incluindo esculturas, pinturas, livros e paramentos, entre outros objetos valiosos, alguns com centenas de anos.

Uma família de Amarante doou esta quarta-feira ao museu de arte sacra da cidade cerca de 250 peças, algumas com centenas de anos, que passaram a constar da exposição permanente. 

O espólio doado ao Museu de Arte Sacra de Amarante pertencia a Luís Coutinho, falecido há 12 anos, hoje representado na cerimónia pela mãe, Luísa Coutinho. 

Para o bispo do Porto, António Francisco Santos, que assistiu à formalização do acordo de cedência do acervo, a doação é "um gesto importante, significativo e pedagógico". 

"Trata-se de uma pessoa muito bem formada, generosa, que em pouco tempo de vida concebeu este grande sonho de ser útil à comunidade", disse ainda. 

O acervo é formado por peças de arte religiosa, incluindo esculturas, pinturas, livros e paramentos, entre outros objetos valiosos, alguns com centenas de anos, que passaram a constar da exposição permanente daquele museu situado junto à Igreja de S. Domingos, no centro da cidade.» in http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/familia-de-amarante-doou-centenas-de-pecas-de-arte-sacra-a-museu-da-cidade

29/05/14

Ambiente e Ecologia - Um novo estudo publicado na revista Science, no qual participaram investigadores portugueses, conclui que o aquecimento global não ameaça só os polos - vai modificar por completo as zonas tropicais

Os trópicos, como os conhecemos, vão desaparecer, diz um novo estudo

«Os trópicos, como os conhecemos, vão desaparecer, diz um novo estudo

Um novo estudo publicado na revista Science, no qual participaram investigadores portugueses, conclui que o aquecimento global não ameaça só os polos - vai modificar por completo as zonas tropicais

As imagens de ursos polares isolados em pequenos pedaços de gelo à deriva são recorrentes em campanhas de alerta sobre o aumento médio das temperaturas e as consequências do aquecimento global nos ecossistemas. Os efeitos destas mudanças nos polos têm sido amplamente estudados e divulgados.

Mas e o que acontece noutras zonas climáticas do Planeta Terra? Uma equipa internacional, na qual participam investigadores do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO), concluiu que os trópicos sejam "altamente afetados por alterações locais da temperatura e precipitação, o que conduzirá a climas completamente diferentes dos atuais".

O estudo, publicado no início de maio, pela revista de divulgação cientifica Science , resulta de uma colaboração internacional que inclui o CIBIO-InBIO/Universidade de Évora, o Museu Nacional de Ciências Naturais de Madrid e as universidades de Copenhaga, Helsínquia e o Imperial College de Londres, e é o primeiro a fornecer uma visão extensiva e detalhada do impacto de diferentes padrões de variação das alterações climáticas na biodiversidade.

Através da utilização de 15 modelos disponibilizados pelo Painel Internacional para as Alterações Climáticas, os investigadores examinaram a forma como as mudanças na temperatura e precipitação poderiam afetar a persistência das espécies em todo o mundo.

"As regiões polares receberam uma atenção substancial porque estão a passar por um grande aumento na temperatura. A extensão dos climas polares decrescerá, o que implica uma redução no habitat disponível para espécies árticas e sub-árticas", explica, em comunicado, o investigador principal do estudo Miguel Araújo, coordenador do polo do CIBIO - InBIO  na Universidade de Évora.

O cientista acrescenta ainda que "independentemente destas alterações, o aquecimento nos trópicos deverá criar condições climáticas completamente novas, que atualmente não são experimentadas por nenhuma espécie em qualquer lugar na Terra. A eventual capacidade das espécies se conseguirem adaptar a estas novas condições climáticas é ainda uma questão em aberto".» in http://visao.sapo.pt/os-tropicos-como-os-conhecemos-vao-desaparecer-diz-um-novo-estudo=f782812#ixzz338RhPvH1


(Planet Earth - Florestas Tropicais Morte e Vida)


(Vida Selvagem - A Floresta Tropical da Malazia)


(Floresta Tropical)

Poesia - O Meu Amigo e Colega, Professor Eugénio Mourão, interpela-nos com o Poema: "Tempo de Saudade"




"TEMPO DE SAUDADE 

Sentimento ledo,
Como a criança no escuro,
Sem medo.
E num quarto seguro,
Os seus olhos em segredo,
Vertem saudade,
De que há tantas noites padece,
Pela crua realidade,
Que mais tira do que oferece.
Se ao menos do céu o luar,
Na solidão de uma rua,
Pudesse a alma aclarar,
Como o sol durante o dia!
Mas chove,
E nada, neste tempo de acalmia,
Dura mais do que comove."

Eugénio Mourão.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=678456255568576&set=a.215009225246617.52914.100002126234550&type=1&theater

Celorico de Basto - Fonte lindíssima da Quinta do Prado, na Quinta com o mesmo nome e onde se situa a Câmara Municipal local.

DSC03167

DSC03168

(Em Celorico de basto a magia aparece em cada recanto, no seu valioso Património construído e natural, que se misturam de forma sublime!)

28/05/14

Televisão - Judite Sousa decidiu processar, cível e criminalmente, o grupo editorial Impala, devido a uma manchete da revista “Nova Gente”, que lhe arranjou um namoro com Luís Montenegro, chefe do grupo parlamentar do PSD.

Judite Sousa



«Judite Sousa processa revista

Judite Sousa decidiu processar, cível e criminalmente, o grupo editorial Impala, devido a uma manchete da revista “Nova Gente”, que lhe arranjou um namoro com Luís Montenegro, chefe do grupo parlamentar do PSD.

Trata-se de uma das maiores “broncas” de sempre no panorama da imprensa cor-de-rosa portuguesa, porque a citada revista confundiu Montenegro com outro senhor, Henrique Blanc, um criativo lisboeta, e anunciou que o conhecido deputado, “um homem casado”, andava a sair com “ duas famosas”, no caso Judite Sousa e Isabel Figueira.

A “Nova Gente”, que terá caído no erro devido às parecenças físicas dos dois homens, já pediu desculpas e mandou retirar de circulação os exemplares da edição em causa (a última), mas dificilmente escapará ao banco dos réus.

À partida, a capa tinha todos os ingredientes para tal revista se vender como pãezinhos quentes… Sob duas fotos (uma, inofensiva, do verdadeiro Montenegro ao lado de Judite, e outra de Blanc, o suposto Montenegro, na praia com Isabel Figueira), a “Nova Gente” titulava assim: “Solteiras – Judite Sousa e Isabel Figueira saem com o mesmo homem casado – Luís Montenegro é líder no partido do Governo e até ajuda a cuidar do filho da apresentadora”.

Judite, que considera a notícia “completamente falsa e difamatória”, já deu instruções aos seus advogados para avançarem com uma queixa-crime e uma ação cível contra o grupo Impala, em concreto contra o jornalista que assina a notícia e o diretor da “Nova Gente”.

Luís Montenegro, respeitável chefe de família e pai de dois filhos, também já anunciou idêntica atitude, alegando danos “verdadeiramente irreparáveis”.

Finalmente, Isabel Figueira confirmou que o homem que a “Nova Gente” mostra com ela numa praia da Linha de Cascais não é Luís Montenegro, mas sim Henrique Blanc, “um amigo de infância”, e que a manchete da revista é “gravíssima”.» in http://fama.sapo.pt/noticia/judite-sousa-processa-revista

27/05/14

Amarante Teixeira de Pascoaes - O Grande Poeta de Amarante e do Mundo, Teixeira de Pascoaes, interpela-nos com o Poema: "Nas trevas"



"Nas Trevas

Como estou só no mundo! Como tudo 
É lagrima e silencio! 

Ó tristêsa das Cousas, quando é noite 
Na terra e em nosso espirito!... Tristêsa 
Que se anuncia em vultos de arvoredos, 
Em rochas diluidas na penumbra 
E soluços de vento perpassando 
Na tenebrosa lividez do céu... 

Ó tristêsa das Cousas! Noite morta! 
Pavor! Desolação! Escura noite! 
Phantastica Paisagem, 
Desde o soturno espaço á fria terra 
Toda vestida em sombra de amargura! 

Êrma noite fechada! Nem um leve 
Riso vago de estrela se adivinha... 
Sómente as grossas lagrimas da chuva 
Escorrem pela face do Silencio... 

Piedade, noite negra! Não me beijes 
Com esses labios mortos de Phantasma! 

Ó Sol, vem alumiar a minha dôr 
Que, perdida na sombra, se dilata 
E mais profundamente se enraiza 
Nesta carne a sangrar que é a minha alma! 

Ilumina-te, ó Noite! Ó Vento, cála-te! 
Negras nuvens do sul, limpae os olhos, 
Desanuviae a bronzea face morta! 

Oh, mas que noite amarga, toda cheia 
Do teu Phantasma angelico e divino; 
Espirito que, um dia, em minha irmã, 
Tomou corpo infantil, figura de Anjo... 
E para que, meu Deus? Para partir, 
Com seis annos apenas, no primeiro 
Riso da vida, em lagrimas, levando 
Toda a luz de esperança que floria 
Este êrmo, este remoto em que divago... 

Como estou só no mundo! Como é triste 
A solidão que faz a tua Ausencia, 
E o terrivel e tragico silencio 
Da tua alegre Voz emudecida! 

Ó noite, ó noite triste! Ó minha alma! 
Tu, que o viste e beijaste tantas vezes, 
Tu, que sentiste bem o que ele tinha 
De angelica Creança sobrehumana, 
Não vês as proprias cousas como soffrem, 
E como as grandes arvores agitam 
As ramagens de lagrimas e sombras? 

Repára bem na lugubre tristêsa 
Da nossa velha casa abandonada 
Da divina Presença da Creança! 

Ah, como as portas gemem e o beiraes 
Têm soluços de vento... 

Lá fóra, no terreiro onde brincavas, 
A noite escura chora... 

Ó minha alma, 
Embebe-te na dôr das Cousas êrmas; 
Chora tambem, consome-te, soluça, 
Junto á Mãe dolorosa, de joelhos..."

Teixeira de Pascoaes, in 'Elegias'



(Ler Mais Ler Melhor Vida e Obra de Teixeira de Pascoaes)

26/05/14

Amarante Dolmen - O projecto de valorização da serra da Aboboreira, dos municípios de Amarante, Baião e Marco de Canaveses, deverá contar com meios financeiros para recuperar as aldeias, disse à Lusa um dos responsáveis pelo projecto, Telmo Pinto presidente da Dolmen.



«Projecto de valorização da serra da Aboboreira pode ajudar a recuperar aldeias

O projecto de valorização da serra da Aboboreira, dos municípios de Amarante, Baião e Marco de Canaveses, deverá contar com meios financeiros para recuperar as aldeias, disse à Lusa um dos responsáveis pelo projecto.

Telmo Pinto, presidente da Cooperativa Dolmen, defendeu que esse tipo de apoios seria fundamental para ajudar a fixar a população e convencer outras pessoas para que regressem à serra onde já viveram. "Não há desenvolvimento se não houver condições para que as pessoas vivam cá com dignidade", observou, acrescentando: "Têm de ser criadas iniciativas, com apoios financeiros efectivos, para que estas pessoas vejam recuperadas as habitações, que estão um pouco degradadas".

A Dolmen é a entidade gestora do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) nos concelhos do Baixo Tâmega. O projecto foi preparado com o apoio de universidades e de outras entidades.

O dirigente disse à Lusa acreditar que a Aboboreira, que compreende territórios de Amarante, Baião e Marco de Canaveses, "tem muitas condições de fauna e flora para dar às pessoas que lá vivem os meios necessários para se manterem na serra, retirando algum proveito económico deste espaço".

Telmo Pinto defendeu que a serra tem "um potencial turístico importante, sem descurar a qualidade de vida das várias pessoas que habitam as aldeias dispersas". A Dolmen pretende que as casas, algumas das quais abandonadas, sejam recuperadas e valorizadas para dois fins específicos: o habitacional e o turístico.

A preocupação com o turismo na serra da Aboboreira terá de passar, frisou, pela cooperação entre os municípios de Amarante, Baião e Marco de Canaveses, com projectos desenhados em conjunto e de forma articulada. "Podemos ter aqui alguma oferta turística para que as pessoas que cá vivem possam usufruir de outro rendimento e as pessoas que vêm visitar a serra possam ser acolhidas com uma dignidade aceitável", defendeu o dirigente.

A par do turismo de habitação, a Dolmen sinaliza a importância dos produtos locais ligados à agricultura, gastronomia e artesanato, por poderem constituir uma fonte de rendimento para os habitantes da serra. "Há outros produtos que importa apoiar, nomeadamente a criação de gado da raça autóctone, que vai ajudar a aumentar os rendimentos desta população", anotou também o presidente da Dolmen.» in http://www.publico.pt/local/noticia/projecto-de-valorizacao-da-serra-da-aboboreira-pode-ajudar-a-recuperar-aldeias-1637503


(Marco de Canaveses: Dolmen cria casa dos produtos locais)

Ambiente e Ecologia - As abelhas de alguns apiários na Alsácia (França) estão a produzir mel de cores azul e verde; os apicultores afetados, que já foram prejudicados pelos elevados níveis de mortalidade das abelhas e pelo inverno rigoroso, veem-se assim com um produto que não podem vender.




«Mel azul e verde: Apicultores franceses deparam-se com produto que não podem vender

As abelhas de alguns apiários na Alsácia (França) estão a produzir mel de cores azul e verde. Os apicultores afetados, que já foram prejudicados pelos elevados níveis de mortalidade das abelhas e pelo inverno rigoroso, veem-se assim com um produto que não podem vender.

Segundo a Reuters, a França é um dos maiores produtores de mel da UE produzindo, anualmente, 18.330 toneladas deste produto natural, das quais 1000 toneladas provêm da Alsácia, onde se situa a cidade de Ribeauville.

Seis apicultores desta região, que se têm debatido, à semelhança do que acontece a nível global, com outros problemas como o fenómeno conhecido como Colony Collapse Dirsorder (que envolve o colapso em massa das colónias), têm agora de lidar com um problema adicional: o mel que produziram desde o verão, que em vez da cor dourada apresenta tons de verde ou azul, não tem valor de mercado.

“Para mim, não é mel”, afirmou Alain Frieh do sindicato dos apicultores, que acrescentou “Não é vendável”.

Tudo indica que a origem dos inesperados tons do mel está numa central de biogás situada a cerca quatro quilómetros de distância. Esta central tem usado como matéria-prima resíduos de uma fábrica que produz as populares guloseimas de chocolate coloridas M&M’s, resíduos de que se terão alimentado as abelhas.

À Reuters Phillipe Meinrad, corresponsável pela gestão da Agrivalor, empresa que opera a central, afirmou que o fenómeno foi detetado na mesma altura em que receberam o alerta dos apicultores, tendo já sido tomadas medidas para o anular, que passaram pela lavagem dos contentores e pelo armazenamento dos resíduos em áreas cobertas.» in http://www.reuters.com e http://www.sciencedump.com

            

            

            

            

            

            

       

            

        


(Apicultores desvendam mistério de mel colorido)
Pin It button on image hover